Clique e Assine SUPER por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Traduzindo a palavra de Deus

A tradução das escrituras sagradas é um desafio tão grande que merecia uma ajuda divina. O que fazer quando não se pode contar com ela?

Por Da Redação Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 31 out 2016, 18h34 - Publicado em 30 jun 2008, 22h00

Texto Artur Fonseca

Traduzir é uma arte improvável, costumam dizer os tradutores. Afinal é muito difícil haver uma correspondência absoluta entre o que o escritor quis dizer e o novo texto. Se já é difícil assim nas línguas modernas, imagine com os livros sagrados, como a Bíblia e o Alcorão, escritos há dezenas de séculos em dialetos que não são mais usados hoje em dia.

Livro mais traduzido no mundo, com versões integrais em mais de 300 línguas, a Bíblia foi escrita em 3 idiomas. O Antigo Testamento, incluindo a Torá, tem originais em hebraico e aramaico, provavelmente a língua falada por Jesus. O Novo Testamento é quase todo escrito num grego arcaico que precisa ser traduzido mesmo para os gregos de hoje. Já o Alcorão é todo em árabe, só que em 4 dialetos diferentes, exatamente como foi revelado a Maomé.

Outro problema que os tradutores enfrentam é a escolha dos textos em que se basear. Os 66 livros que formam a Bíblia, por exemplo, não têm mais originais disponíveis, e os tradutores precisam se basear em cópias – às vezes em cópias de cópias. Para evitar erros, o tradutor compara várias cópias antigas e usa livros que discutem o significado das palavras bíblicas. “É preciso usar vasta literatura de interpretação das palavras”, afirma Vilson Scholz, professor de teologia e consultor de tradução da Sociedade Bíblica do Brasil. Além disso, o tradutor precisa estar atento a descobertas arqueológicas que trazem à luz novos significados de palavras bíblicas. “Há 50 ou 100 anos, a lista de palavras que só existiam na Bíblia era grande. A arqueologia fez essa lista diminuir muito.”

Depois, é preciso quebrar a cabeça para entender o significado das palavras no contexto. “O Novo Testamento tem cerca de 5 400 palavras. E cada uma tem em média 4 ou 5 significados”, diz Scholz. Às vezes a simples falta de uma vírgula – que não existia nas línguas dos originais – complica tudo. Como não dá para tirar a dúvida com o autor, o tradutor precisa intuir o significado das palavras. O que lhe dá margem para influenciar o texto sagrado. A palavra malakoi, por exemplo, já virou tanto “masturbador” quanto “homossexual” (veja ao lado).

Continua após a publicidade

Afinal, é preciso escolher um tipo de português para o texto final. “A tradução depende também de quem vai ler”, diz o lingüista e tradutor Nestor Dockhorn, que prepara traduções do Evangelho de Lucas em 3 variantes populares – urbana, urbana da periferia e rural. Perfeccionismo? Nem tanto. “Na hora de traduzir a palavra sagrada, todo cuidado é pouco”, diz Dockhorn.

Pecados da língua

As versões das escrituras sagradas estão repletas de imperfeições por causa das dificuldades impostas pelos originais e os idiomas em que foram escritos. Confira alguns exemplos.

Decepção no paraíso

O Alcorão, livro sagrado dos muçulmanos, também tem seus problemas de tradução. Segundo Christoph Luxenberg, pseudônimo de um especialista alemão em estudos árabes, autor do livro The Syro-Aramaic Reading of the Koran (sem tradução para o português), os textos originais do Alcorão não foram escritos apenas em dialetos árabes mas também num dialeto sírio-aramaico falado em Meca no século 7. O estudo de Luxenberg traz um detalhe aterrador para os terroristas suicidas. Se sua interpretação estiver correta, os muçulmanos que morrem em nome da fé não encontrariam mulheres virgens no paraíso, e sim uvas. Segundo o pesquisador, a palavra usada no original, huri, significa “uvas brancas” no dialeto sírio-aramaico.

Continua após a publicidade

Literal, mas ambíguo

Em Levítico, o 3º livro da Torá, está a história do bode expiatório, que é sacrificado para que o povo de Moisés pague seus pecados. A tradução literal, no entanto, fornece o nome “bode de Azazel, o demônio”. Ela não quer dizer que o animal pertence ao coisa-ruim, mas que representa sua influência sobre os homens, sua parte maligna. Fora do contexto, a expressão poderia dar a entender que um bode do demônio livrou os homens dos pecados dos hebreus – o que não é verdade. Para evitar o mal-entendido, os tradutores preferiram o termo bode expiatório.

A palavra do preconceito

Um bom exemplo de como opções de tradução podem causar polêmica é a questão da homossexualidade. Em vários trechos da Bíblia, palavras que podem significar “pederasta”, “masturbador” ou “estuprador” viraram simplesmente “homossexual” – deixando evidente o preconceito do tradutor. A palavra malakoi, por exemplo, já virou tanto “mole” quanto “pervertido”, “efebo” ou “homossexual”. Cada tradutor escolhe a que prefere ou acha mais correta.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.