GABRILA65162183544miv_Superinteressante Created with Sketch.

As cidades russas do War eram reais?

Omsk, Dudinka, Tchita e Vladivostok - inventadas para o jogo ou tiradas da vida real?

Lançado no Brasil nos anos 1970, War é um dos jogos de tabuleiro mais populares no país até hoje. Mas ele não é conhecido por sua exatidão geográfica, uma vez que exclui diversos países (os 54 países da África não são nem dez territórios no jogo). Com a imensa Rússia, o contrário acontece: seu território é dividido em uma série de terrenos com nomes que muita gente nunca ouviu falar. O que são Omsk, Dudinka, Tchita e Vladivostok?

Omsk
Com mais de 1 milhão de habitantes, é uma das dez maiores cidades da Rússia, ao leste dos Montes Urais, que separam os lados europeu e asiático no país. Chegaram a existir planos de fazer de Omsk a capital da então União Soviética, caso os alemães tomassem conta de Moscou na 2ª Guerra. Foi nessa cidade que o escritor Fiódor Dostoiévski cumpriu sua pena de quatro anos de trabalhos forçados no século 19

Dudinka
É uma pequena cidade na Sibéria com pouco mais de 22 mil habitantes. Mesmo não estando no litoral, Dudinka conta com um porto às margens do rio Yensei. Extremamente fria, a cidade tem uma temperatura média de -26 oC nos meses de inverno. A economia de Dudinka sobrevive graças às atividades do grupo minerador russo Nornickel, que explora níquel e paládio na região

Tchita
Com pouco mais de 300 mil habitantes, é uma cidade que fica também bastante ao leste na Rússia, bem na ponta do território que recebe seu nome no tabuleiro do War. Próxima à fronteira com a China, a cidade foi lar temporário de Pu Yi, último imperador chinês, antes de ele ser extraditado de volta à sua nação, onde viveu até morrer

Vladivostok
É uma cidade portuária que fica no extremo leste da Rússia, sendo a parada final da ferrovia transiberiana, a maior do mundo. A cidade fica muito próxima das fronteiras com a China e com a Coreia do Norte, na Manchúria. Essa região já foi alvo de disputa entre diversas potências, como as próprias China e Rússia, além do Japão