GABRILA65162183544miv_Superinteressante Created with Sketch.

As embalagens de spray ainda agridem a camada de ozônio?

Não, porque elas não usam mais o gás propelente CFC (clorofluorcarbono), que era o que detonava a camada de ozônio. “Atualmente, entre 90 e 95% dos aerossóis fabricados no Brasil utilizam, no lugar do CFC, o GLP, sigla para gás liquefeito de petróleo, que não provoca danos à camada de ozônio”, afirma Rogério Teramoto, gerente de Desenvolvimento e Aplicações de Soluções Tecnológicas da Liquigás, de São Paulo. O gás propelente dos aerossóis – seja ele o CFC, seja o GLP ou outro – é responsável por fazer com que o líquido presente na embalagem (perfume, desodorante, tinta etc.) seja “expulso” dela na forma de um jato formado por milhares de pequenas gotinhas. Acontece que uma parcela do gás também escapa da latinha a cada borrifada. A boa-nova, como você pode ver abaixo, é que, enquanto o CFC que escapava destruía a camada de ozônio, o GLP é um gás inócuo, que não causa nenhum problema ao meio ambiente. o/***

TROCA GASOSA

No passado, os sprays eram deste jeito…

As embalagens usavam como gás propelente o CFC (clorofluorcarbono). Esse gás era liberado na atmosfera sempre que o jato de aerossol saía. Como o CFC é um gás leve, subia na atmosfera até a camada de ozônio (O3), reagindo com ela e transformando o ozônio em oxigênio (O2). A questão é que a camada de ozônio age como um filtro para as radiações ultravioleta. Sem ela, essa radiação chega ao solo, podendo causar câncer.

… e, agora, ficaram assim

No lugar do CFC, os sprays modernos usam o GLP, que é formado pela mistura dos gases butano e propano. Mais pesados, esses gases, ao serem liberados na atmosfera, não sobem para as camadas mais altas e não atingem a massa de ozônio. Como não sofrem nenhum tipo de reação química no ar, são inofensivos ao meio ambiente.