Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

Como evitar a falta d’água no planeta?

Essa questão promete ser uma das principais encrencas deste século

Por Rodrigo Ratier Atualizado em 4 jul 2018, 20h16 - Publicado em 18 abr 2011, 18h51

Essa questão promete ser uma das principais encrencas deste século. Para dar uma ideia do rolo, a Organização das Nações Unidas (ONU) calcula que hoje já existam 1,1 bilhão de pessoas sem acesso à água potável. À primeira vista, o problema é a escassez do líquido – afinal, apenas 2,5% da água do planeta é doce. Como a maior parte dessa reserva está no gelo dos pólos e das montanhas, sobra menos de 0,1% nos rios, lagos e lençóis subterrâneos para a gente usar.

A cobiça pelo “ouro azul” é tanta que, nos últimos 50 anos, mais de 500 conflitos tiveram a água como motivo principal. “Mesmo assim, a questão fundamental não é a quantidade de água: por enquanto, consumimos apenas 12% do líquido disponível. O problema é o mau uso desse recurso. Isso, sim, pode agravar ainda mais a crise de abastecimento”, diz o geólogo Aldo Rebouças, da Universidade de São Paulo (USP).

Para diminuir a gastança, a solução é combater o desperdício e reutilizar a água potável. De nossa parte, a chave é mudar hábitos para economizar. Portanto, evite tomar banhos longos – pelas contas dos especialistas, 37% da água usada para o consumo humano vai para o ralo nas chuveiradas intermináveis. E nada de fazer a barba com a torneira aberta – em apenas cinco minutos, o desperdício chega a 80 litros! De resto, é aplicar a lição que todo mundo já conhece, fechando bem as torneiras, regulando as descargas e evitando esbanjar água lavando a rua.

Por uma gota
Desperdício e maus hábitos podem secar bilhões de torneiras ainda neste século
PLANTAÇÕES AFOGADASDe toda a água usada no mundo, cerca de 70% vão para a agricultura,22% ficam nas indústrias e só 8% seguem para o consumo humano. Nas plantações, mais de 60% do líquido utilizado na irrigação é desperdiçado em vazamentos, na evaporação ou na infiltração no subsolo. Com técnicas mais eficientes, a perda poderia ser reduzida em até 70%

ESCASSEZ CRESCENTE

Para satisfazer suas necessidades diárias, cada ser humano precisa de 20 a 50 litros de água. Mas, pelas contas da ONU, 1,1 bilhão de pessoas não têm acesso a água de boa qualidade. Mesmo no Brasil, considerado o país mais rico do mundo em água doce (13% das reservas mundiais estão por aqui), a situação é grave: cerca de um quinto da população não recebe água encanada em casa

FONTE CONDENADA

A cada dia, 2 milhões de toneladas de sujeira são despejadas nos rios do mundo. No Brasil, 80% do esgoto coletado vai parar em cursos d’água sem receber nenhum tratamento. Para reverter o problema, a ação básica é a despoluição, que, além de recuperar os rios para o abastecimento, reduz a ocorrência de doenças transmitidas pela água contaminada

Continua após a publicidade

ENGENHARIA ANTIQUADA

Sistemas sanitários antigos são outro buraco de desperdício. No Brasil, ainda há poucas torneiras de pressão, ralos estreitos ou privadas modernas (modelos fabricados antes de 2000 gastam o triplo de líquido em uma descarga), que induzem uma economia forçada de água. O investimento na troca de equipamentos compensa, pois pode gerar uma economia de até 70% na conta

CANO FURADO

No mundo todo, pouco mais da metade da água captada em rios e lagos chega de fato à torneira. Em uma cidade como São Paulo, 20% se perdem em vazamentos e outros 20% em ligações clandestinas. Deter esse sumiço é um trabalho demorado, que demanda análise cuidadosa de cada metro da tubulação

USO IMPRÓPRIO

O Brasil é um dos poucos países que esbanjam água potável para atividades que não exigem um líquido tão puro, como a lavagem de ruas ou de carros. No primeiro mundo, a maioria dos países conta com algum programa de reuso da água. Em Israel, país afetado pela escassez, 70% da água suja é tratada para ser reaproveitada depois

Continua após a publicidade

Publicidade