Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

Como funciona uma bateria?

Toda banda precisa deste instrumento, que dita o ritmo da música e ajuda a manter todo mundo em sincronia

Por Pedro Spadoni Atualizado em 14 fev 2020, 17h29 - Publicado em 6 fev 2018, 15h28
Gil Tokio/Pingado/Mundo Estranho

SURDO

É também uma espécie de tambor, mas usado com os tom-tons nas viradas. Seu som é quase tão grave quanto o do bumbo. Surdos feitos de mogno ou maple produzem um som mais aveludado e nítido. Mas a maioria das baterias possui surdos de pinho, que são mais baratos

TOM-TONS

As baterias costumam ter dois: o que produz um som mais agudo e outro que produz um som mais grave. Graças a essa configuração, que intercala os tons, é o instrumento mais usado na hora de fazer as viradas

CAIXA

Em geral, usada para conduzir o ritmo da música. Seu formato é achatado, na maioria das vezes, e o corpo pode ser de madeira ou metal. O que garante seu som característico, seco e marcante, é uma tira de metal, a “esteira”, presa na parte de baixo

Gil Tokio/Pingado/Mundo Estranho

PRATOS

Existem dois tipos: os de condução (que ditam o ritmo) e os de ataque (que marcam transições e finalizam viradas). Os de condução, grandes e grossos, na maioria das vezes ficam à direita. Os de ataque, menores e mais finos, geralmente à esquerda

Gil Tokio/Pingado/Mundo Estranho

BUMBO

Produz o som mais grave da bateria. Sua função é, principalmente, conduzir o ritmo da música. Tocado exclusivamente com o pedal, pode ser acionado tanto com o pé direito quanto com o esquerdo (depende do baterista). Também é possível ter dois bumbos no kit

Continua após a publicidade

Gil Tokio/Pingado/Mundo Estranho

CHIMBAU

Produz a base dos ritmos e os conduz. Os dois pratos ficam presos em uma haste e são acionados com um pedal. Separados, eles produzem um som mais ressonante e juntos mais seco. Podem ser tocados com a baqueta também. Sua posição depende do baterista: à esquerda para destros e à direita para canhotos

Gil Tokio/Pingado/Mundo Estranho

  • Relacionadas

BAQUETA

Gil Tokio/Pingado/Mundo Estranho

Pontas de madeira – Geram um som firme e, ao mesmo tempo, suave
Pontas de náilon – Realçam tons agudos e produzem sons mais nítidos
Pontas de feltro – Criam sons suaves e são usadas em músicas calmas e em acústicos

BATENDO BEM

Na música, a batida é uma unidade de tempo que indica o pulso da canção. Cada música tem uma quantidade específica de batidas por minuto (bpm) – é o “tempo” ou “andamento” da faixa. “We Will Rock You”, do Queen, por exemplo, tem 81 bpm. Um compasso é um grupo de batidas – dividir a música em compassos facilita aprender a tocá-la. Veja abaixo como se toca a bateria em um compasso de “We Will Rock You”

Gil Tokio/Pingado/Mundo Estranho

CONSULTORIA Ronaldo Prado Lima, professor de percussão na Universidade Metodista de Piracicaba (Unimep)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Transforme sua curiosidade em conhecimento. Assine a Super e continue lendo

Impressa + Digital

Plano completo da Super! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da SUPER, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Receba mensalmente a SUPER impressa mais acesso imediato às edições digitais no App SUPER, para celular e tablet.

a partir de R$ 19,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao Site da SUPER, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

App SUPER para celular e tablet, atualizado mensalmente.

a partir de R$ 12,90/mês