Clique e Assine SUPER por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Dean Arnold Corll, o assassino conhecido como “Candyman”

O doceiro convidava adolescentes para casa e fazia a festa, torturando e assassinando impunemente, durante três anos

Por Danilo Cezar Cabral
Atualizado em 22 fev 2024, 10h20 - Publicado em 18 nov 2016, 13h58

ILUSTRA Eduardo Belga

1) Dean nasceu em Fort Wayne, estado americano de Indiana, em uma família não muito feliz. Desde os 6 anos de idade via as brigas dos pais, que terminaram em divórcio em 1950, quando se mudaram para Houston, Texas. Corll acompanhou a mãe ainda por outros três casamentos.

2) No fim dos anos 50, a mãe de Dean abriu uma empresa de venda e fabricação de doces. O filho tomou a frente do negócio, que durou até 1965, quando sua mãe se mudou para outro estado. Dean distribuía doces para a garotada da vizinhança e ficou conhecido como Candyman – “o homem do doce”.

+ Retrato Falado: Aileen Wournos, a serial killer retratada no filme Monster

+ Retrato Falado: Pablo Escobar, o rei bilionário do tráfico de cocaína

3) Apesar de mostrar sinais de depressão e reclusão de tempos em tempos, Dean era querido no bairro. Quando mudou de carreira e foi trabalhar em uma companhia elétrica, passou a chamar a atenção dos vizinhos por continuar a se relacionar com as crianças e adolescentes da área.

4) Seus melhores amigos eram Elmer Wayne Henley e David Brooks, de 14 e 15 anos. O trio estava sempre passeando de van ou batendo papo na casa de Corll. O que ninguém sabia era que Dean lhes pagava por favores sexuais e para trazerem jovens até sua casa – 200 dólares por cabeça.

5) Corll tinha um quarto com objetos de tortura, como tubos de vidro (usados para violentar), facas, cordas, algemas, fitas adesivas e brinquedos sexuais. Tudo isso, assim como o número de vítimas (27) e o local em que foram enterradas, só veio à tona após a morte do doceiro.

+ Retrato Falado: Andrei Romanovich, o serial killer no Partido Comunista da União Soviética

Continua após a publicidade

+ Retrato Falado: Papa Doc, o ditador que tocou o terror no Haiti

6) Corpos de vítimas, enterrados em um píer próximo a Houston, apresentavam sinais de tortura, castração e abuso sexual. Dean amarrava e amordaçava os jovens (sempre do sexo masculino), e os executava asfixiando com saco plástico ou mandando bala.

7) O que era doce se acabou quando Henley convidou Tim Kerley para a casa de Dean, trazendo junto, sem avisar, sua namorada Rhonda. Irado, o serial killer ameaçou torturar e matar os dois convidados, mas Henley surrupiou o revólver calibre 22 do doceiro e partiu pra cima dele.

Que Fim levou?

Dean Corll morreu com seis tiros, dados por Henley, em agosto de 1973. Henley foi condenado a 594 anos de reclusão e Brooks, o outro comparsa, pegou prisão perpétua.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.