GABRILA65162183544miv_Superinteressante Created with Sketch.

Existe cirurgia para aumentar o tamanho do pênis?

Existe, mas é bem polêmica, arriscada e de resultados geralmente desapontadores. Os dois tipos de cirurgia de aumento (veja no infográfico abaixo) são procedimentos simples: levam menos de uma hora e só requerem anestesia local. Mas os riscos são consideráveis. Muitos especialistas condenam a operação. “Essas cirurgias são anedóticas. Têm resultados péssimos”, diz o urologista Joaquim de Almeida Claro, da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). Os críticos afirmam que a maioria dos homens que buscam o aumento do pênis deveria procurar primeiro aconselhamento psicológico, pois seus órgãos têm tamanhos normais. Mas os cirurgiões que praticam a operação discordam. “O homem que sofre com isso questiona sua performance sexual o tempo todo. O desconforto que ele sente com o próprio corpo é enorme”, diz o cirurgião vascular Márcio Dantas de Menezes, da Sociedade Brasileira de Medicina Sexual. De qualquer forma, é bom frisar que o Conselho Federal de Medicina, principal entidade médica do país, só autoriza a operação para homens com menos de 2 cm ou na reconstrução de tecidos para mutilados em acidentes.

Pau pra toda obra?
Perda do ângulo de ereção é risco de um dos dois tipos de operação

AUMENTO DE DIÂMETRO

O médico expande um dos tecidos internos do pênis, injetando em volta do órgão gordura (retirada do corpo do paciente), placas de colágeno (emprestadas de porcos) ou materiais sintéticos, como um gel derivado do petróleo

OS PERIGOS

O pênis pode absorver mal o que foi injetado, o que pode torná-lo fino novamente ou disforme

AUMENTO DE COMPRIMENTO

Por uma abertura de 3 cm na pele acima da pélvis, o cirurgião corta os ligamentos que prendem a base interna do pênis aos ossos da bacia. Essa parte interna do órgão, então, projeta-se para fora, aumentando o tamanho do pênis em cerca de 2 cm

OS PERIGOS

Efeitos colaterais indesejados, como o risco da diminuição do ângulo de ereção, a retração do pênis se o órgão não cicatrizar bem, infecções e quelóides (cicatrizes permanentes)