GABRILA65162183544miv_Superinteressante Created with Sketch.

Por que existem facas de cozinha de formatos diferentes?

Cucina_012 Cucina_012

Cucina_012 (/)

Há diferentes necessidades na hora de cortar alimentos. As primeiras facas surgiram no tempo das cavernas, ainda feitas de pedra. Na época, além de cortar roupas e carne de animais, também serviam como arma para caçar. Por volta de 700 a.C., começaram a ser fabricadas com ferro, tornando-se mais cortantes e duráveis. Já no século 16, os franceses aprimoraram o corte das facas, que passaram a ser usadas com os garfos na mesa. Hoje, são mais de 15 tipos, feitos de aço inoxidável e em vários formatos – cada umcom uma especialidade. Sua fabricação se tornou até uma arte: a cutelaria.

CORTE FRÁGIL

As facas de cerâmica, originais da Ásia, são mais leves e resistentes – duram oito vezes mais que uma faca de aço, mas qualquer queda é fatal

CORTANDO TUDO

As facas e suas especialidades

CUTELO

Serve para partir ossos. Tem um corte rústico e sua afiação é feita a 45º (as outras são afiadas a 20º)

FACA DO CHEF

Com cabo longo, é usada para cortar carnes, descascar legumes e picar temperos

FACA DE DESOSSAR

A lâmina estreita ajuda a penetrar no animal e cortar as cartilagens, separando a carne do osso

FACA SERRILHADA

Corta alimentos de casca grossa e polpa macia, como pães. A serra quebra a casca sem parti-la

FACA DE LEGUMES

São mais leves e compridas, ideal para cortes que exigem agilidade, como picar legumes

FACA COM ALVÉOLOS

Ideal para fatiar frios (queijo, presunto ou mortadela), já que ajuda a reter o ar e a umidade

DEBA HOCHO

A faca japonesa possui uma lâmina longa e serve para filetar peixes e fazer o tradicional sashimi

A afiação de facas é feita em uma pedra porosa especial e em apenas uma direção, nunca em círculos. O aço inoxidável é o mais utilizado por evitar a ferrugem e não propagar bactérias.

FONTES Breno Guelssi, professor de gastronomia do Senac – Campos do Jordão; Flávio Duprat, cuteleiro; Gustavo Hengel, colecionador de facas; João Batista, cuteleiro e Maurício Lopes, chef e professor de gastronomia da Universidade Anhembi Morumbi