Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

Por que nem todo milho vira pipoca?

Pow Pow Pow

Por Gabriela Monteiro Atualizado em 14 fev 2020, 17h45 - Publicado em 26 jun 2014, 16h16

O grão de milho-pipoca (Zea mays everta) estoura porque contém mais água (entre 12 e 16%) e tem casca mais resistente do que o milho comum. Quando a semente é exposta ao calor, (temperatura mínima de 170°C), a água encapsulada vira vapor, que se expande. A pressão é tanta que a casca se rompe. No primeiro contato com o ar, o amido (gelatinoso no interior do grão) solidifica-se e vira a espuma branca que comemos. Caso haja irregularidades na casca, como furos ou rachaduras, o vapor de água escapa e a casca não explode, formando o piruá (milho que não estourou). Outros fatores que impedem a transformação do milho em pipoca são a contínua exposição ao sol – que acaba secando o interior do grão – e o aquecimento abaixo da temperatura necessária.

  • Relacionadas
  • Fonte

    Artigos A Cultura do Milho Pipoca no Brasil, de Cleso Antônio Pacheco, pesquisador da Embrapa, e O Cultivo de Milho Pipoca no Brasil, de Eduardo Sawazaki, pesquisador do Centro de Plantas Graníferas – IAC

    Continua após a publicidade
    Publicidade