GABRILA65162183544miv_Superinteressante Created with Sketch.

Qual a diferença entre um carro de corrida e um carro normal?

640px-Nissan_Tiida_racing_car 640px-Nissan_Tiida_racing_car

640px-Nissan_Tiida_racing_car (/)

Mercedes_Transporter Mercedes_Transporter

Mercedes_Transporter (/)

Qual a diferença entre um carro de corrida e um carro normal?

Glauber Alves Pereira,

Campos Sales, CE

A grande diferença está no conceito de construção de cada um deles. Quando vão projetar um automóvel de passeio, os engenheiros se preocupam, por exemplo, com o conforto do motorista. Já as equipes de corrida não estão nem aí com isso. Ou você imagina o supercampeão da Fórmula 1 Michael Schumacher pedindo para a Ferrari deixar o carro um pouco mais lento, pois a trepidação o está incomodando? Para os engenheiros que projetam automóveis de passeio, não só o conforto, mas também a durabilidade, a segurança e até o preço que custará o carango são coisas fundamentais. “Na F-1, nada disso tem importância. Em competição, a palavra de ordem é desempenho”, diz o engenheiro Ricardo Bock, coordenador do curso de engenharia mecânica automobilística da Faculdade de Engenharia Industrial (FEI). O resultado é que o sonho de dirigir uma Ferrari por aí a 300 km/h pode se transformar em pesadelo para os simples mortais acostumados aos carros macios que rodam pelas ruas. Dirigir um F-1 não é nada agradável e, após 15 minutos, é provável que o novato no assunto tenha a sensação de ter levado uma verdadeira surra… Além da questão do conforto, outra grande diferença conceitual é em relação à durabilidade. Não é absurdo afirmar que as peças de um F-1, mesmo aquelas que custam milhares de dólares, são descartáveis. Motor, freio, suspensão, pneus e outras partes trabalham sempre no limite da resistência e sofrem um desgaste excessivo. Após algumas dezenas de voltas nas pistas, tudo é substituído por componentes zero-quilômetro. Como nenhum motorista ficaria feliz em comprar novas pastilhas de freio a cada três semanas, abrir mão do desempenho máximo em troca de maior durabilidade parece um bom negócio.

Mergulhe nessa

Na Internet:

http://www.f1technical.net

www2.uol.com.br/bestcars

Disputa nem tão desigual Veículos de passeio levam vantagem no coeficiente aerodinâmico

“SOLADO” SOB MEDIDA

Os pneus de um F-1 são feitos para aderir ao máximo ao asfalto. A área de contato com a pista é maior, já que eles só têm três sulcos, e a borracha literalmente penetra nos poros do asfalto. Mas isso desgasta demais os pneus, tornando-os inúteis em cerca de 100 quilômetros. Os pneus dos carros de passeio não aderem tanto, o que prejudica o desempenho, principalmente nas curvas. Mas, por outro lado, duram, em média, 40 mil quilômetros!

RASGANDO O AR

O coeficiente de aerodinâmica (Cx) indica como o ar passa pelo carro. Quanto menor o Cx, melhor. Parece incrível, mas o de um F-1 (1,8) é pior que o de uma Kombi (0,42) — basicamente porque tem as rodas expostas. O que faz a diferença nas pistas é a eficiência aerodinâmica, obtida pela multiplicação do Cx pela área frontal do carro — bem menor no F-1. Além disso, a maior downforce (força que o carro gera em direção ao solo) também faz o projeto aerodinâmico do F-1 ser superior

TÁ NA MÃO

Como não precisa manobrar, o volante do F-1 não esterça tanto. Nas pistas, o importante é a resposta rápida aos comandos. Assim, com um quarto de volta no volante o piloto consegue guinar o F-1 a um ângulo parecido ao que um motorista só atinge ao virar o volante quase 180º. Outra diferença é o tamanho. No minúsculo cockpit de um F-1, o volante tem só 19 centímetros de diâmetro, em média, contra cerca de 40 centímetros do de um carro popular

IMPACTO PROFUNDO

A suspensão dos carros de passeio fica sobre as rodas do veículo. Ela reduz a trepidação que, sem o equipamento, atingiria a freqüência de 40 hertz, algo fisicamente insuportável após algumas horas dirigindo. Com as molas e os amortecedores, o motorista só recebe uma freqüência de 1,3 hertz. Já a suspensão de um F-1 é montada no próprio chassi e o piloto recebe o impacto total enquanto está na pista

SEGURA, PEÃO!

Para segurar a potência do motor, os freios de um F-1 produzem uma força equivalente a três gravidades (quase 30 m/s2) contrária à velocidade do carro. Se estiver a 150 km/h, ele consegue parar totalmente depois de cerca de 30 metros. Um carro de passeio andando na mesma velocidade precisaria percorrer um espaço três vezes maior, aproximadamente 90 metros, até parar

EU BEBO, SIM

Em relação ao consumo, vitória folgada do carro comum, que pode andar cerca de 100 quilômetros com só 10 litros de gasolina — e isso se for dos menos econômicos. Você desistiria de ter um F-1 na primeira vez que fosse reabastecê-lo. Para andar os mesmos 100 quilômetros, o bólido precisaria de 100 litros de combustível! Esse alto consumo ocorre para gerar a energia térmica capaz de produzir as altíssimas rotações do motor

CAVALARIA EM AÇÃO

É no motor que as diferenças são mais gritantes. O de um F-1 tem 1 000 cavalos de potência (HP), gerados por 20 000 rotações por minuto (rpm). Num carro de passeio a rotação não passa das 6 000 rpm, gerando, quando muito, 150 HP de potência. Assim, se os dois largassem ao mesmo tempo, em 10 segundos um F-1 percorreria 700 metros, contra pouco menos de 400 metros de um carro comum