Clique e Assine SUPER por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Como a ciência explica a sensação de que tem alguém te observando

Você não é o único: 94% das pessoas já sentiram que tinha alguma coisa com os olhos fixos nelas

Por Helô D'Angelo Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 26 fev 2018, 19h33 - Publicado em 21 set 2016, 15h00

Você está lá, tranquilo, sozinho… E, de repente, sente que alguém (ou alguma coisa) está te observando. É de arrepiar, né?

Pois saiba que esse “sexto sentido” já é um mistério da ciência há muito tempo — só para dar uma ideia, o primeiro estudo sobre a sensação de estar sendo observado é de 1896. De lá para cá, descobriu-se que essa sensação atinge 94% das pessoas no mundo. Mas por quê isso acontece?

A culpa é da evolução. O olhar é muito importante para a sobrevivência de uma espécie como a nossa. Pense: quando a gente ainda vivia em cavernas, à mercê de animais selvagens, sentir que um predador estava te encarando poderia salvar sua vida.

O olhar também tem outras funções que colaboraram bastante para que os humanos evoluíssem como seres sociais. Ele ajuda você a manter conversas, a reconhecer perigo nas relações sociais (você está lidando com o olhar do seu chefe ou do seu colega?), a determinar se alguém é confiante ou não e até a se apaixonar (e a escolher um parceiro para procriar).

Continua após a publicidade

Além das evolutivas, existem outras explicações para o esse fenômeno. Um estudo do Insituto Nacional de Saúde, nos EUA, mostrou que os seres humanos têm uma rede de neurônios especializada em reconhecer e sentir olhares, seja de animais ou de outras pessoas. Essa rede neural é, basicamente, um detector que dispara um alarme cerebral quando sente que alguém — ou que alguma coisa — está observando você.

Esse “radar” de olhares parece ser inato: uma outra pesquisa, de Cambridge, concluiu que recém-nascidos de apenas cinco dias de vida preferem rostos que os encaram fixamente a rostos que observam outras coisas — de novo, culpa da evolução.

Continua após a publicidade

O engraçado é que, na maioria das vezes, a sensação de ser observado não passa de um truque da sua cabeça. A lógica do cérebro é que é melhor prevenir do que remediar — ou seja: melhor fazer papel de bobo tentando encontrar um observador desconhecido no meio da multidão do que acabar sendo assaltado, por exemplo.

Mesmo que a sensação de ser observado seja um velho assunto da ciência, estudá-la ainda é muito difícil para os cientistas. Isso porque simular o sentimento de ser observado em uma pesquisa é quase impossível: quando os próprios cientistas agem como os observadores anônimos, parece que as “vítimas” conseguem detectar melhor o olhar do que quando os observadores também são participantes do estudo.

Continua após a publicidade

Por isso, mesmo que exista uma série de explicações evolutivas e biológicas para o fenômeno, ele continua sendo um mistério para a ciência. Ele e essa pessoa te observando, atrás de você…

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.