Clique e assine a partir de 5,90/mês

Covid-19 pode causar perda de audição repentina em casos raros

Cientistas estão desvendando mais uma manifestação rara da doença: danos aos ouvidos – desde zumbidos e até a perda total da audição.

Por Bruno Carbinatto - 15 out 2020, 20h34

Novos estudos descobriram que, em casos raros, a Covid-19 pode causar perda total ou parcial de audição em pacientes infectados, o que adiciona mais um sintoma a longa lista de possíveis complicações da doença.

Em um artigo publicado na revista BMJ Cases Report, cientistas da University College London (UCL) relatam o caso de um homem de 45 anos, portador de asma, que precisou ser hospitalizado na UTI após manifestações severas da Covid. Ele foi tratado com ventilação mecânica, o antiviral redemsivir, corticoides para combater a inflamação dos pulmões e se recuperou.

Uma semana após deixar a unidade de cuidados intensivos, porém, o homem passou a ouvir um zumbido constante em seu ouvido esquerdo, seguido pela perda total da audição desse lado. A equipe de médicos analisou o caso e constatou que nenhum dos remédios prescritos durante sua internação teria causado um efeito colateral do tipo, e exames preliminares não encontraram problemas em seu canal auditivo ou no seu tímpano. Além disso, o paciente nunca teve problemas de audição antes desse episódio.

Investigações mais aprofundadas também descartaram a possibilidade do homem ter alguma doença autoimune que causa a perda de audição. Ele testou negativo para infecção por HIV e por Influenza, o vírus da gripe – doenças que estão ligadas à perda repentina de audição na literatura médica.

A equipe descobriu que o quadro do paciente era de surdez neurossensorial, que é causada quando o ouvido interno ou o nervo que o liga ao cérebro está danificado ou inflamado. Com esse diagnóstico, o homem foi tratado com corticoides – remédios que combatem inflamação ao diminuir a atividade do sistema imunológico de nosso corpo. Com esse tratamento, o paciente voltou a ouvir parcialmente no ouvido afetado.

Esse foi o primeiro caso bem documentado de perda de audição ligada à Covid-19 no Reino Unido, mas outros já foram identificados em alguns países, como  Tailândia, Alemanha e Turquia.  Uma revisão sistemática de evidências liderada pelo professor de audiologia Kevin Munro concluiu, porém, que a maioria das pesquisas publicadas até então sobre a perda de audição relacionada à doença eram limitadas ou insuficientes.
A mesma equipe, então, decidiu fazer seu próprio estudo. Os cientistas descobriram que, de 121 pacientes admitidos em um hospital britânico, 16 disseram ter algum tipo de alteração na audição até dois meses depois da detecção do coronavírus, incluindo um zumbido constante.
A associação entre Covid-19 com danos auditivos não é exatamente uma grande surpresa. Primeiro porque, sendo uma doença nova, estamos cada vez mais descobrindo manifestações atípicas do vírus, que já se mostrou capaz de infectar diversos órgãos e causar sintomas que vão muito além dos respiratórios. E também porque outras infecções virais já foram identificadas como responsáveis por perda repentina da audição, incluindo até mesmo os vírus da gripe e da herpes.
Contudo, ainda não se sabe como a Covid pode afetar a audição. É possível que o próprio vírus esteja infectando células da região e causando danos, ou que a inflamação resultante seja por conta do sistema imunológico do paciente, que, ao tentar combater o vírus, ataca também tecidos saudáveis pelo corpo e causa danos “por acidente”.
Os autores do estudo do homem britânico escrevem que “dada a presença disseminada do vírus na população, é importante investigar a questão mais a fundo. Médicos devem questionar os pacientes que estão em terapia intensiva sobre a perda auditiva e encaminhá-los para tratamento urgente se necessário”.

 

 

Continua após a publicidade
Publicidade