GABRILA65162183544miv_Superinteressante Created with Sketch.

Dentes perfeitos para rir à vontade

Metade dos adultos brasileiros perde os dentes por falta de higiene. Mas os tentar um sorriso bonito e saudável não é nenhum bicho-de-sete-cabeças. Os cuidados devem começar antes mesmo de nascer o primeiro.

Para nosso desgosto, não contamos com incisivos de roedores, que crescem à medida que se desgastam. Nós, humanos, só temos duas dentições: a de leite, até os 6 anos, e a permanente, que se completa, aos 17 anos ou mais, com os populares “dentes do juízo”, ou sisos, se é que eles decidem aparecer. Ao longo da vida, nossa dentição, junto com os demais componentes da boca, terá de rasgar, esmagar, triturar e começar a digerir de 25 a 30 toneladas de alimentos. Suportará centenas de agressões e terá de enfrentar o constante ataque de bactérias que aderem à superfície para formar primeiro a placa dental, pegajosa e transparente, e depois o duro tártaro: em 1 g de placa arrancada do sulco gengival existem até 100 milhões de bactérias de 500 espécies diferentes – “especialistas em sobrevivência”, segundo a expressão dos odontólogos americanos Walter Loesche e Erika De Boever, da Universidade de Michigan.

Alguns desses indesejados inquilinos bucais aproveitam qualquer ocasião para crescer de forma desmedida e liberar ácidos que literalmente dissolvem o esmalte da capa mais externa do dente, formada pelo tecido mais duro e mineralizado do corpo. O resultado dessa ação é um ponto de cárie que, se não for tratado, pode destruir o esmalte, perfurar a dentina e invadir a polpa. Para prevenir essa fatal decomposição, certos componentes da saliva, como as imunoglobinas, a mucina, o fosfato, a uréia e o bicarbonato, têm uma ação antibacteriana, neutralizam a acidez e remineralizam o esmalte. De fato, uma das funções vitais dos 27 mil litros de saliva que produzimos em nossa existência não é outra senão preservar os tecidos bucais.

Que falta eles fazem

A constituição genética, que torna certas pessoas mais suscetíveis a ter problemas dentais, e um estilo de vida impróprio prejudicam a saúde bucal. Precisaríamos de uma terceira dentição para assegurar, até a velhice, a integridade de oito incisivos, quatro caninos, oito pré-molares e 12 molares, que configuram nossa arcada. E um dente que apodrece e cai é uma peça que se perde para sempre, a menos que seja recolocada artificialmente.

Estima-se que metade dos adultos brasileiros apresente uma perda dentária grave – ou seja, possui menos de 20 dentes funcionais. Entre os idosos, a taxa de desdentados sobe para 70%, segundo Maria Ercilia de Araújo, chefe do Departamento de Odontologia Social da Faculdade de Odontologia da Universidade de São Paulo (USP). Fora o desconforto estético e a dificuldade de processar os bocados de comida, a falta de dentes dificulta a correta pronunciação das palavras e, desse modo, a comunicação oral.

Felizmente, essa lamentável situação não é irreversível. Nossos avós não contaram na infância com informação nem meios e serviços sanitários e higiênicos suficientes para manter sorrisos perfeitos até a velhice. “Embora ainda seja um problema sanitário, a saúde dental dos brasileiros melhorou bastante nos últimos dez, 15 anos”, diz Maria Ercilia. É o que indica, por exemplo, o número de cáries em crianças de até 12 anos. Em 1986, as crianças apresentavam de 6 a 7 dentes atingidos por cárie. Em 1996, esse número caiu para 3,4 e, atualmente, é de 3,1. O ganho de qualidade pode ser creditado à água que abastece várias cidades. Hoje, 48% dos municípios brasileiros têm a água tratada com flúor.

Porém, se a cárie em crianças diminuiu, as patologias periodontais continuam críticas em adultos e idosos. O fato de possuir gengivas avermelhadas, inflamadas, hipersensíveis e sangrentas constitui um mau augúrio. A gengivite – inflamação das gengivas – pode com o tempo degenerar em doenças mais graves, de acordo com Julio Galván, presidente da Sociedade Espanhola de Periodontia e Osteointegração (Sepa). O especialista se refere à periodontite avançada, que se manifesta com o agravamento da gengivite. A inflamação atinge o osso da gengiva, o que faz com que os dentes percam o suporte e, por fim, caiam.

Bactérias perigosas

Infelizmente, os problemas dentais não ficam circunscritos aos domínios da boca doente. Recentes pesquisas apontam a existência de uma perversa relação entre as infecções periodontais e o maior risco de sofrer doenças cardiovasculares, especialmente infarto do miocárdio, e cerebrovasculares, como ataques de apoplexia. Por exemplo, um informativo publicado no final de 2002 na revista Stroke, da Associação Americana do Coração, dizia: “Entre os homens que, no início da pesquisa, tinham menos de 25 dentes, o risco de sofrer um infarto era 57% mais elevado do que entre os que conservavam um maior número de peças dentais”. No Brasil, um estudo feito pelo Instituto do Coração (InCor) mostra que 78% das endocardites bacterianas são causadas por problemas bucais não tratados, como gengivite, periodontite e abscessos.

Outros estudos indicam que as bactérias periodontais provocam nas gengivas a liberação de diversas citocinas – por exemplo, a proteína C reativa. Esses produtos do sistema imunológico passam ao sangue com as bactérias e estimulam a adesão das plaquetas, o crescimento das chamadas células espumosas e o aumento de colesterol na capa íntima arterial. Tudo isso, em conjunto, acaba favorecendo casos de aterosclerose e trombose. Outras pesquisas relacionam as infecções gengivais às complicações ligadas ao nascimento (como bebês prematuros e de baixo peso), aos problemas respiratórios (doença pulmonar obstrutiva crônica) e à ocorrência de diabetes de tipo II.

Por enquanto, as bactérias dentais atuam com total impunidade e de maneira clandestina no organismo. Mas uma equipe de pesquisadores da Universidade de Aichi, no Japão, afirmou ao Journal of Periodontology que, dentro de alguns anos, os médicos poderão detectar as doenças periodontais encobertas nas análises de sangue rotineiras. “Depois de estudar a saúde bucal de 7 452 pacientes e compará-la com suas análises sanguíneas, verificamos que se o colesterol, os triglicérides, a glicose, a contagem de glóbulos brancos e o nível de proteína C reativa se afastavam dos valores-padrão, o paciente também tinha sintomas sérios de doença periodontal”, disse Yuko Takami, que coordenou o estudo.

Em contraste com a dificuldade de combater essas bactérias no corpo está a simplicidade de métodos para evitar as infecções dentais que as produzem: consultas periódicas ao dentista, higiene bucal correta e dieta adequada. São poucos ainda os que seguem à risca as recomendações. Pesquisa feita pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) aponta que só 10% dos brasileiros visitam de forma regular o consultório odontológico e 20% da população urbana e 32% da população rural nunca foram ao dentista. Dos adultos que já fizeram consultas odontológicas, 40% não vão ao dentista há mais de três anos.

Cuidados desde a infância

Os exames periódicos devem se iniciar na infância, antes mesmo da erupção do primeiro dente. O dentista, além de controlar o desenvolvimento bucal do bebê, informará aos pais sobre os cuidados que devem ter com os filhos. Isso inclui a prevenção da chamada “cárie de mamadeira”, que aparece pela exposição freqüente e prolongada a líquidos açucarados (leite, água adoçada, sucos), o uso e a retirada da chupeta, a aplicação adequada de flúor e a correta limpeza dos dentes. Primeiro a cargo dos pais e, a partir dos 3 ou 4 anos, será a criança quem deverá escovar seus dentes e passar o fio dental, sempre depois de cada refeição.

No Brasil, aparentemente, a maioria da população tem consciência de que escovar os dentes é essencial para garantir a saúde bucal. Mas grande parte das pessoas não sabe como fazer a escovação de forma adequada e não tem condição financeira de comprar uma escova de dente. Para muitos, escova e dentifrício são artigos de luxo. A duração média desse utensílio de limpeza deveria ser de três meses – depois disso, as cerdas se deterioram e perdem a eficácia na escovação. Entretanto, no Brasil, o consumo médio é de menos de uma escova de dente por ano por pessoa.

O ideal é escovar os dentes sempre depois de cada refeição. E antes de dormir é recomendável fazer uma “faxina dental”, com a escovação minuciosa de todas as superfícies e o uso de fio dental. Isso porque, à noite, o fluxo salivar diminui, favorecendo a proliferação de bactérias. Quantos procedem da forma correta? Poucos. “Falta dinheiro. Não é uma questão de preguiça”, afirma Maria Ercilia. A situação é mais grave no que diz respeito ao fio dental. Apesar de ele ser um bom complemento para combater a placa, cerca de 70% dos brasileiros não sabem que é preciso usá-lo, diz a professora da USP.

Como se pode perceber, o panorama atual não é nada animador. O melhor a fazer é conversar abertamente com o seu dentista para tirar todas as dúvidas e procurar seguir todas as recomendações dele. Segundo Ignácio Corral, assessor médico da Colgate, a chave da saúde dental é simples: está nos hábitos preventivos. “Os pacientes que não visitam o especialista regularmente, que não escovam os dentes três vezes ao dia e que não trocam a escova dental a cada três meses apresentam 76% de risco de sofrer doenças periodontais”, afirma Corral. “Essa porcentagem se reduz à metade quando eles seguem os conselhos do dentista.” n

Adaptação Patrícia Pereira

Como é que é, doutor?

Saiba o que seu dentistaestá querendo dizer quando tentaexplicar que você tem…

Cárie

Destruição do tecido dental por ácidos liberados pelas bactérias da placa depositada na superfície dos dentes. Se não for tratada, destrói o dente e mata sua inervação interior.

Placa bacteriana

Película incolor e pegajosa que se forma constantemente sobre os dentes. É a principal causa de cáries.

Tártaro

Aparece quando a placa bacteriana se endurece sobre o esmalte devido ao depósito de minerais. Sua acumulação leva à ocorrência de cáries e de infecções de gengiva.

Gengivite

Inflamação da gengiva causada por depósitos de placa bacteriana. Essa produz toxinas que alcançam o tecido gengival.

Periodontite

Fase avançada da gengivite em que o osso e as fibras que sustentam e fixam os dentes sofrem danos irreversíveis. Se não for controlada, a lesão fará com que os dentes se desloquem ou amoleçam.

Pulpite

Inflamação dolorosa da polpa dentária causada por cáries e feridas bucais.

Aftas

Pequenas ulcerações dolorosas que surgem na mucosa bucal. A causa é desconhecida.

Herpes oral

Infecção causada pelo vírus de herpes simples, que se manifesta com feridas dolorosas nas gengivas ou em outras partes da boca. A reativação do vírus, normalmente propiciada por resfriado, febre ou ansiedade, pode causar bolhas.

Candidíase

Infecção causada pelo fungo Candida albicans, que se reconhece pela formação de placas de cor amarela ou avermelhada na superfície úmida da boca. Ocorre com mais freqüência em recém-nascidos, em pessoas imunodeprimidas (aids) e naquelas que usam prótese dentária.

Leucoplasia

Placa esbranquiçada e espessa no interior da bochecha, da língua e das gengivas que se associa, entre outras coisas, ao tabagismo. Se convertem em câncer 5% dos casos.

Sensibilidade dental

Sensação desagradável ou dolorosa que aparece sobretudo ao ingerir bebidas e alimentos frios ou quentes. Ocorre devido ao desgaste da superfície dental ou pela retração do tecido gengival.

Halitose

Presença de mau hálito que, na maioria dos casos (90%), se deve à má higiene e saúde bucal.

Bruxismo

Hábito inconsciente que consiste em apertar e ranger os dentes, provocando dores.

A anatomia dos dentes

Eles servem para cortar, rasgar,esmagar e triturar alimentos. E aindatêm um importante papel na fala

A arcada dentária se apóia no osso maxilar, que recebe o nome de alveolar nessa parte que circunda os dentes. A parte mecânica da digestão – cortar e triturar os alimentos – é realizada por eles. Além dessa função, os dentes desempenham importante papel na fala. Cada dente é constituído por esmalte (camada mais externa, dura e resistente), dentina (tecido situado abaixo do esmalte e que provoca dor se exposto a ácidos, doces e bebidas frias ou quentes) e a polpa (tecido mole e rosado, no centro do dente, extremamente sensível). Temos duas dentições, a leite, ou descídua, formada por 20 dentes, e a definitiva, com um total de 32 dentes.

Tipos de dentes definitivos

São quatro os tipos. Eles se diferem pela forma e pela função.

Incisivos (8)

Dentes anteriores com borda afilada, em forma de lâmina de faca. São usados para cortar os alimentos.

Caninos (4)

Têm forma pontiaguda ou de cúspide. Também conhecidos como presas. São usados para rasgar os alimentos.

Pré-molares (8)

Possuem duas pontas aguçadas ou duas cúspides pontiagudas. Servem para esmagar e triturar.

Molares (12)

Têm cúspides largas na superfície de mastigação. Trituram os alimentos.

Teste

Você tem medo de dentista?

Muitas pessoas demoram ou evitam consultas odontológicas por puro medo – embora possam alegar outros motivos. Este teste permite avaliar o grau de sua fobia ao dentista.

Dê notas de 0 a 10 para as seguintes situações – variando de 0, para o estágio de relaxamento total, a 10, para o nervosismo intenso e paralisante.

• Enquanto você aguarda a consulta na sala de espera ( )

• Ao sentir o cheiro característico de um consultório de dentista ( )

• Ao sentar na cadeira do dentista ( )

• Ao se recostar na cadeira ( )

• Ao ver a seringa e a agulha para a anestesia ( )

• Ao sentir a injeção da anestesia ( )

• Ao ouvir o som do torno ( )

• Ao ver os instrumentos dentais ( )

• Ao ter um instrumento introduzido na boca ( )

• Ao não saber o que o dentista está fazendo enquanto ele se move pelo consultório ( )

• Ao fazer uma radiografia da boca ( )

• Ao se submeter a uma limpeza dos dentes ( )

Resultado

Some os pontos e veja em qual situação você se enquadra (se você deu nota acima de 5 em alguma das perguntas, você tem fobia ou ansiedade dental exacerbada).

De 0 a 4

As visitas ao dentista não trazem nenhum trauma, provavelmente porque você já comprovou que muitos dos mitos sobre dor são falsos.

De 5 a 7

Seu nível de medo é elevado, embora não tenha muita dificuldade para superá-lo sempre que você se propuser a isso.

Mais de 7

O nível de medo é extremo. Você é daqueles que têm um pânico incontrolável e evitam o dentista até que a dor de um problema bucodental, como a cárie, vença seus temores. Consulte um especialista para superar o bloqueio.

Limpeza eficiente

A maneira mais simples de prevenir a formação da placa e do tártaro é o uso diário da escova de dente e do fio dental

Uso correto da escova de dente

1. Incline a escova em um ângulo de 45º e escove deslizando desde a gengiva até a ponta dos dentes.

2. Mantenha movimentos circulares (nunca para a frente e para trás) em pequenos grupos de dentes. Escove dessa forma a face voltada para as bochechas, a face interna e a superfície de mastigação.

3. Escove suavemente a língua.

Uso correto do fio dental

1. Corte cerca de 45 cm de fio dental e reserve de 3 a 5 cm para passar entre os dentes.

2. Siga com cuidado a curva dos dentes.

3. Limpe por debaixo da gengiva, mas não force demais o fio contra ela.