Clique e Assine SUPER por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Depressão pós-parto está associada ao diabetes gestacional

Alta concentração de açúcar no sangue durante a gestação é fator de risco do transtorno psicológico

Por Bruno Vaiano
Atualizado em 19 jan 2017, 16h56 - Publicado em 19 jan 2017, 16h55

Um estudo com mais de 700 mil mulheres revelou que casos de depressão pós-parto (PPD) estão diretamente associados à presença de altas concentrações de açúcar no sangue durante a gravidez. Essa condição, conhecida como diabetes gestacional, não tem relação com o diabetes comum e atinge cerca de 4% das gestações. Apesar dos sintomas discretos, ela pode aumentar o risco de pré-eclâmpsia e tornar o bebê mais propenso a desenvolver sobrepeso e diabetes do tipo 2 no futuro. 

A conclusão é de uma equipe de pesquisadores da Escola Icahn de Medicina, sediada em Nova York, nos Estados Unidos. Esse não foi o único fator de risco analisado. Em mulheres com histórico prévio de depressão, diabetes pré-gestacional e parto prematuro também foram bons indicadores de PPD. Entre mulheres sem histórico de problemas psicológicos, por outro lado, o parto por cesárea e a idade foram determinantes: mães mais novas que precisaram de intervenção cirúrgica têm maior tendência a sofrer do problema.

“Há um motivo para os médicos sempre perguntarem se você fuma. Eles sabem que fumantes tem 20 vezes mais chances de ter um câncer”, explicou Michael Silverman, psiquiatra responsável pelo estudo, ao EurekAlert! “Agora, ginecologistas e obstetras podem fazer o mesmo com histórico de depressão, e intervir antes do bebê nascer.”

Esse é mais um passo no esforço de descobrir as causas do problema. Em maio do ano passado, a Apple lançou o aplicativo ResearchKit, que, entre outras funções, fica de olho em mulheres com bebês recém-nascidos e coleta dados sobre os sintomas de depressão para melhorar a pesquisa científica. Os médicos responsáveis pelo estudo, porém, afirmam que o diagnóstico de PPD com base em sintomas tende a superestimar o número de vítimas, e só levaram em conta casos clínicos confirmados de um banco de dados na Suécia.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.