Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Energético é banido em Zâmbia após provocar ereções prolongadas

Pesquisas detectaram que o produto, vendido em supermercados de vários países africanos, continha um medicamento para tratar disfunção erétil.

Por Rafael Battaglia Atualizado em 27 mar 2019, 18h46 - Publicado em 27 mar 2019, 18h33

Energéticos têm uma função simples: fornecer energia, seja para praticar algum esporte, dar um gás no trabalho ou virar a noite estudando. Mas uma bebida do tipo precisou ser proibida em Zâmbia, na África, após, digamos, dar mais energia que o necessário.

O país africano anunciou na última semana a proibição do Power Natural High Energy Drink SX, um energético produzido por lá, após casos de que ele estaria provocando ereções prolongadas em alguns homens.

A decisão aconteceu após o caso de um homem de Uganda, em dezembro de 2018. Após consumir a bebida, ele se queixou de suor constante e de uma ereção de mais de seis horas. As autoridades de saúde de lá analisaram o energético e encontraram vestígios de citrato de sildenafila, composto químico usado para tratar disfunção erétil. Trata-se da versão genérica do Viagra.

Produzido pela empresa Revin Zambia, a bebida é exportada para outros países africanos, como Zimbábue e Malawi. Nesse último, o energético já havia sido proibido em janeiro.

Popularidade

Parece que os efeitos da bebida fizeram com que as vendas do Power Natural aumentassem. De acordo com a BBC, a procura pelo energético cresceu em Lusaca, capital da Zâmbia, onde ele é vendido em mercados e por vendedores ambulantes. Apesar da proibição, o energético permanece em circulação.

Segundo a reportagem, a bebida contém, em sua embalagem, mensagens sobre o fato de ela ser “afrodisíaca” e “aumentar a libido”, além de “revitalizar o corpo e a mente”. No entanto, ela não trazia informações como a quantidade de sildenafila presente na composição.

A Zâmbia tomou essa decisão após testes em outros países, como a África do Sul, também atestaram que a substância está presente na bebida (embora o porta-voz da empresa tenha negado). Para a Sociedade Farmacêutica da Zâmbia, o ideal seria informar aos consumidores a quantidade exata do composto, para evitar a venda para quem não quer usufruir de suas “propriedades”.

Continua após a publicidade

Publicidade
Saúde
Energético é banido em Zâmbia após provocar ereções prolongadas
Pesquisas detectaram que o produto, vendido em supermercados de vários países africanos, continha um medicamento para tratar disfunção erétil.

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Transforme sua curiosidade em conhecimento. Assine a Super e continue lendo

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

App SUPER para celular e tablet, atualizado mensalmente.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Plano completo da Super. Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da SUPER, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Receba mensalmente a SUPER impressa mais acesso imediato às edições digitais no App SUPER, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês

Publicidade