GABRILA65162183544miv_Superinteressante Created with Sketch.

Geladeira com laser sabe se a comida está estragada

O sistema, criado por uma equipe sul-coreana, analisa se os micro-organismos se movimentam após serem atingidos por laser

É segunda-feira, e aquele frango está na sua geladeira desde quarta. Você abre o pote, dá uma cheiradinha, e fica aqueles 15 segundos pensando se vai ou não comer. Decisão importante, na verdade. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), só em 2015, 582 milhões de pessoas foram diagnosticadas com intoxicação alimentar ao redor do mundo – 351 mil delas morreram. Agora, se depender de um grupo de físicos do Instituto Avançado de Ciência e Tenologia da Coreia do Sul (KAIST), você não vai ter mais que se preocupar. Os coreanos desenvolveram uma geladeira que, equipada com lasers, consegue descobrir quando sua comida estragou.

A ideia funciona da seguinte forma: o refrigerador utiliza um sistema que dispara lasers sobre a carne. Depois disso, uma câmera capta se ocorre algum tipo de movimentação, em escala microscópica, na superfície do alimento. Se houver, isso significa que bactérias estão contaminando a comida, e que você não deveria comê-la.

LEIA: Suas alergias dependem da estação do ano em que você nasceu

Os testes foram feitos justamente usando peças de frango. E, durante as pesquisas, os cientistas envolvidos conseguiram identificar que dois tipos de bactérias, E. coli e B. cereus, se reproduzindo no alimento. O sistema só funciona se os alimentos estiverem envoltos por plástico-filme (se você guardá-los em potinhos, não).

A grande sacada é que a técnica consegue analisar os alimentos sem ter que adicionar nenhum tipo de reagente químico – nem tocar a comida. “Ao contrário de outros métodos químicos ou moleculares, que inevitavelmente envolvem procedimentos com contato, o método em questão é baseado na análise de pontos de lasers dinâmicos, que pode ser obtido simplesmente medido o reflexo do laser vindo da amostra”, afirmam os pesquisadores no artigo.

O método, porém, tem algumas falhas. O experimento mostrou que o equipamento não consegue detectar micro-organismos que não reagem ao laser, como os vírus. Ele também não consegue dizer qual tipo de bactéria está presente nos alimentos. 

Os pesquisadores afirmam que, além dos refrigeradores comuns, o sistema também poderia ser usado em indústrias, ajudando a garantir que os alimentos cheguem em boa qualidade aos consumidores.  

LEIA TAMBÉM:

Bactérias intestinais podem ajudar a proteger o cérebro
8 alimentos que garantem energia para o dia todo
Vermes geneticamente modificados podem curar feridas graves