Clique e assine a partir de 8,90/mês

Inteligência Artificial supera especialistas na detecção de câncer de mama

O software, desenvolvido pelo Google, foi 11,5% mais preciso quando comparado a médicos humanos.

Por Maria Clara Rossini - Atualizado em 2 jan 2020, 17h25 - Publicado em 2 jan 2020, 17h16

Cada vez mais a tecnologia tem se mostrado aliada da medicina, principalmente quando se trata de diagnóstico precoce. Um programa de inteligência artificial desenvolvido pelo Google se mostrou mais eficiente que especialistas na detecção de câncer de mama – o segundo tipo mais comum do mundo, atrás apenas do de pulmão.

Um outro sistema do Google já havia obtido sucesso em detectar câncer de pulmão antes dos médicos, mas essa é a primeira vez que um algoritmo é capaz de identificar câncer em radiografias de mama com maior precisão que especialistas, localizando tumores que os profissionais geralmente deixam passar e ignorando “alarmes falsos” que possam se parecer com um tumor.

Mesmo com a análise de mamografias, algumas mulheres ainda recebem diagnósticos errôneos, seja um falso negativo, fazendo com que o indivíduo atrase o tratamento, ou um falso positivo, gerando preocupação e procedimentos desnecessários. De acordo com a Sociedade Americana de Câncer, metade das mulheres que fazem mamografias anualmente receberão um diagnóstico “falso positivo” em algum momento ao longo de dez anos. É aí que a tecnologia entra pra ajudar. 

Os cientistas da Google Health treinaram a Inteligência com 91 mil mamografias de mulheres dos Estados Unidos e Reino Unido. As pacientes foram acompanhadas ao longo de dois anos para acompanhar o desenvolvimento (ou não) do câncer. Depois, para testar a eficácia do programa, ele analisou outras 28 mil mamografias.

Comparado aos diagnósticos de médicos dos EUA, a IA apresentou 5,7% menos falsos positivos e 9,4% menos falsos negativos. No Reino Unido, o resultado foi de 1,2% menos falsos positivos e 2,7% menos falsos negativos.

Em um segundo experimento, os diagnósticos do programa foi comparado com os de seis médicos individualmente. O algoritmo apresentou 11,5% mais acurácia, mesmo quando os profissionais tinham a oportunidade de conversar e recebiam o histórico dos pacientes.

No entanto, quando a mamografia passa por pelo menos dois médicos antes do diagnóstico, os humanos se saem tão bem quanto a máquina. Na prática, é comum que dois profissionais analisem a imagem para chegar a uma conclusão, cada um “checando” o trabalho do outro. Caso eles discordem do diagnóstico, um terceiro profissional pode ajudar na análise. No Reino Unido, essa prática é obrigatória no sistema público de saúde.

Mas isso não é regra em todos os países. De acordo com os pesquisadores, o algoritmo não vai substituir os médicos especializados nesse tipo de diagnóstico, mas pode servir como esse “segundo especialista”, oferecendo maior segurança e precisão aos diagnósticos.

Antes de começar a ser usado pelos sistemas de saúde, o programa ainda precisa passar por testes clínicos, além de ser regulamentado por cada país.

Continua após a publicidade
Publicidade