Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

STF aprova criminalização da homofobia; veja países onde ela é crime

Poucas nações no mundo consideram ilegal o preconceito contra pessoas LGBT. Conheça algumas delas

Por Luiza Monteiro Atualizado em 14 jun 2019, 11h43 - Publicado em 13 fev 2019, 18h20

Chegou ao fim, nesta quinta-feira (13), o julgamento no Supremo Tribunal Federal (STF) sobre a criminalização da homofobia. Por 8 votos a 3, os ministros do STF decidiram que o preconceito contra homossexuais e transsexuais deve ser considerado um crime equivalente a racismo.

O processo teve como base duas ações – uma do Partido Popular Socialista (PPS) e outra da Associação Brasileira de Gays, Lésbicas e Transgêneros (ABGLT) – que pediam que a discriminação contra esses grupos fosse enquadrada na lei 7.716/89, a Lei Antirracismo. Ela proíbe qualquer discriminação contra raça, cor, etnia, religião ou procedência social. A punição para quem descumprir a norma é de um a três anos de prisão, e a pena é inafiançável.

Com o parecer do Supremo, aumenta a pressão sobre o poder legislativo para criar leis mais duras contra a homofobia – como acontece em outros países.

Canadá

Mariano Sayno/Getty Images

Em 1º de janeiro de 2017, os termos “identidade de gênero” e “expressão de gênero” foram incluídos na lei de direitos humanos canadense. Com isso, é proibido ofender ou restringir direitos de um cidadão pelo gênero com o qual se identifica ou pela maneira como se comporta – seja em relação ao jeito de falar, seja quanto à forma como se veste, por exemplo.

Chile

Mariano Sayno/Getty Images
Continua após a publicidade

Em 2012, o Chile se tornou o primeiro país da América Latina e aprovar uma lei antidiscriminação para questões relacionadas a gênero e orientação sexual. A proposta tramitou no congresso chileno por sete anos, e só após um crime brutal (em que um rapaz gay de 20 anos foi espancado até a morte por neonazistas) que chocou o país a legislação foi aprovada. Segundo a norma, o julgamento deve acontecer até, no máximo, 90 dias após a acusação – e as penas são multas que podem chegar a US$ 4 mil.

Espanha

Marc Espolet Copyright/Getty Images

Desde 1995 o país europeu proíbe crimes e discursos de ódio em razão da orientação sexual ou da identidade de gênero. Mas em alguns estados ainda faltam leis que punam, por exemplo, empregadores que recusem contratar uma pessoa LGBT.

França

CGinspiration/Getty Images

Há 16 anos a França conta com uma lei que incrimina injúrias e agressões motivadas por orientação sexual. Também são considerados crimes ameaçar e incitar o ódio em razão de como uma pessoa se identifica ou com quem ela se relaciona. A pena é de até sete anos de cadeira.

Finlândia

CGinspiration/Getty Images

A Finlândia tornou crime a homofobia em 1995; dez anos depois, estendeu a lei para travestis e transsexuais. Em 2014, pessoas LGBT ganharam proteção legislativa contra discriminações para conseguir emprego ou ter acesso a educação e saúde.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Transforme sua curiosidade em conhecimento. Assine a Super e continue lendo

Impressa + Digital

Plano completo da Super! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da SUPER, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Receba mensalmente a SUPER impressa mais acesso imediato às edições digitais no App SUPER, para celular e tablet.

a partir de R$ 19,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao Site da SUPER, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

App SUPER para celular e tablet, atualizado mensalmente.

a partir de R$ 12,90/mês