GABRILA65162183544miv_Superinteressante Created with Sketch.

Como dois usuários do Reddit fizeram um “sanduíche de planeta Terra”

É possível repetir a façanha estando aqui no Brasil. Basta encontrar alguém na Ásia com uma fatia de pão – e bastante tempo sobrando.

Já ouviu alguém questionar se, cavando um buraco profundo, daria para brotar do outro lado do planeta? Trata-se de uma tarefa pouco plausível: antes de chegar à China ou qualquer outro canto desconhecido, um aventureiro vai encontrar um núcleo de rocha derretida onde as temperaturas são altíssimas. 

Mas, com perseverança (e um traje especial para aguentar o calor) o esforço hipotético até poderia valer a pena. Não sem uma boa dose de sorte, é claro. Na maioria das vezes, furar a superfície em busca do ponto oposto do planeta termina em fracasso: o tripulante se depara com o alto-mar. Só em 15% do território é possível encontrar terra firme.

Duas cidades separadas por uma linha reta, mas que estão em lados distintos do globo, são chamados “antípodas”. Há alguns casos curiosos do tipo – Manila, capital das Filipinas, e Tangará da Serra (MT), no Brasil, por exemplo. Lima, capital peruana, tem como espelho Pursat, no Camboja. A antípoda de Taipei, na China, é uma cidade argentina: Formosa. Em comum, elas têm o fato de estarem separadas por 12,724 quilômetros, ou o diâmetro terrestre.

Os cálculos para determinar uma antípoda são relativamente simples. Basta encontrar latitude e longitude, sequência de números que determina a posição geográfica de qualquer ponto do planeta. A latitude da antípoda de um lugar será igual, mas com sinal invertido. Para calcular a longitude, é só subtrair 180º do valor e, então, inverter o sinal do resultado. Neste mapa, dá para ver os pontos do Brasil que possuem antípodas. 

Foi usando esse conceito geográfico que uma dupla de desconhecidos conseguiu fazer o sanduíche mais recheado da Terra. Como? Usando o próprio globo terrestre como recheio.

Veja também

Tudo começou com uma postagem estranha no fórum reddit, feita há dois meses. Etienne Naude, 19, um estudante de ciências da computação da Universidade de Auckland, Nova Zelândia, buscava por algum usuário da Espanha – mais precisamente, de cidades da região de Olvera, Villamartin ou Sevilha. Só podia ser alguém de lá. Era a única maneira de alinhar corretamente as latitudes e longitudes de duas fatias de pão e fazer, assim, um legítimo sanduíche de planeta.

Demorou, mas Naude conseguiu um parceiro para a empreitada – o chef de cozinha espanhol Angel Sierra, 34, que você vê à direita na foto do post. Além de cálculos precisos, o experimento demandou todo um esforço de logística.

Primeiro, a dupla usou o Google Maps para confirmar que estavam na localização correta. O companheiro desconhecido, que vivia na Espanha, precisou viajar 11 quilômetros para encontrar o ponto certo para posicionar a fatia. Como era de se esperar, também não foi possível comprar pães exatamente iguais. Nada que os tenha desanimado. Com a ajuda de um laser, Naude chegou a confeccionar pães especiais para o evento, como você pode ver na foto abaixo.

“Foi bem difícil de nos organizarmos, uma vez que o fuso horário é de 12 horas”, disse Naude, em entrevista ao portal NRZ. “Houve ainda muitas coisas para resolver, como o tipo de pão, o horário e o ponto preciso [para colocá-lo]”.

O neo-zelandês posicionou sua fatia na praia de Bucklands, em Auckland. Daí foi só refinar as estimativas e tentar reduzir ao máximo qualquer imprecisão no sul da Espanha. Para não dar brecha para erros, nove pães foram posicionados do lado espanhol. Depois, Naude voltou ao Reddit para compartilhar seu sucesso.

Acredita-se que a primeira vez que duas pessoas fizeram um sanduíche de Terra foi em 2006, também posicionando uma fatia na Espanha e outra na Nova Zelândia (dessa vez, era pedaços de pão baguete). Ou seja, você não percebeu, mas já fez parte de um sanduíche de 5.97 x 1024 quilos pelo menos duas vezes na vida. Acompanha batata frita?