Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Entenda o que é o marco temporal – e como ele afeta os povos indígenas

A tese, que teve a votação iniciada nesta quinta-feira (26), deve impactar 303 territórios indígenas em processo de demarcação.

Por Carolina Fioratti Atualizado em 27 ago 2021, 18h26 - Publicado em 26 ago 2021, 15h13

Nesta quinta-feira (26), teve início a votação da tese do marco temporal no Supremo Tribunal Federal (STF), que deve ser retomada na próxima quarta (1º). Diante disso, povos indígenas e apoiadores, que temem os impactos da medida sobre a demarcação de terras indígenas, se juntaram em Brasília para protestar. Mais de 6 mil indígenas foram ao Distrito Federal e formaram o acampamento “Luta pela vida”. É uma das maiores manifestações já feitas por povos originários.

Para entender essa discussão, é preciso voltar alguns anos. Em 2009, o STF teve que resolver um conflito envolvendo indígenas e produtores de arroz, que disputavam pela Terra Indígena Raposa Serra do Sol, em Roraima. Na época, a decisão foi favorável aos povos originários, sob alegação de que estes já estavam no território quando foi promulgada a Constituição Federal, em 5 de outubro de 1988. 

indígenas protestando em frente ao supremo tribunal federal
Andressa Anholete/Getty Images

Mas há um detalhe importante nessa história. Se você pegar o artigo 231 da Constituição, verá a seguinte passagem: “São reconhecidos aos índios sua organização social, costumes, línguas, crenças e tradições, e os direitos originários sobre as terras que tradicionalmente ocupam, competindo à União demarcá-las, proteger e fazer respeitar todos os seus bens”. O texto, ao contrário da justificativa dada pelo STF em 2009, não fala nada a respeito de datas.

Após a decisão, foram abertos precedentes para que outros casos do tipo fossem julgados da mesma maneira. O tal marco temporal, então, defende que apenas as terras que já estavam sob uso de indígenas em 5 de outubro 1988 podem ser reivindicadas.

  • O problema

    Ao usar a data da Constituição na hora de demarcar terras indígenas, diversos fatores ligados à colonização são desconsiderados. Afinal, muitos povos não estavam em seus territórios de origem no período apontado porque, antes, foram expulsos de suas terras, tanto pela violência de desbravadores quanto pela própria expansão urbana e rural. 

    Mesmo assim, em 2017, a Advocacia Geral da União (AGU) deu o parecer que, assim como ocorreu na Terra Indígena Raposa Serra do Sol, o marco temporal seria aplicado em qualquer outro caso similar. Um deles, que está em discussão atualmente e serve como símbolo dessa luta, é o caso dos indígenas Xokleng, da Terra Indígena Ibirama La-Klãnõ, em Santa Catarina.

    Em 1914, cerca de 400 mil indígenas viviam no estado, número que se reduziu devido à perseguição de desbravadores, construção de barragens, entre outros fatores. Hoje, a etnia Xokleng divide espaço com os Guaranis e Kaingangs – somando pouco mais de 2 mil indígenas. Agora, eles lutam pela demarcação do território.

    A tese do marco temporal está atrelada ao Projeto de Lei 490/2007, fortemente apoiado pela bancada ruralista. A decisão, se aprovada, deve afetar (e dificultar) o processo de demarcação de 303 terras, onde vivem cerca de 197 mil indígenas. 

    Continua após a publicidade
    Publicidade