Assine SUPER por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Existem mais notas de R$1 do que de R$200 em circulação

A nota mais recente representa apenas 1,9% das cédulas do país. Entenda o motivo.

Por Maria Clara Rossini
26 Maio 2024, 10h00

Pouca gente viu ao vivo, a maioria só ouviu falar. Já faz três anos que a nota de R$200 entrou em circulação, mas ela segue sendo a cédula mais rara do país – até mais que a de R$1, que parou de ser produzida em 2005. Segundo o Banco Central, em maio de 2024 há 148 milhões de notas de R$1 em circulação, e apenas 139 milhões de R$200.

Parece bastante, mas os papéis de R$200 representam apenas 1,9% das 7,5 bilhões de cédulas circulantes. A maioria das notas do Brasil é de R$100, que somam 1,9 bilhões de unidades.

A nota de R$200 já nasceu com um objetivo específico: facilitar o pagamento do auxílio emergencial de R$600 em 2020, durante a pandemia de covid-19. A cédula foi anunciada em junho daquele ano, e entrou em circulação em setembro. Uma nota de valor mais alto ajuda o governo a economizar com a impressão de cédulas: em vez de entregar seis cédulas de R$100, bastaria três de R$200 para pagar o auxílio.

Naquela época, com todas as incertezas sobre o futuro, boa parte da população estava guardando dinheiro em espécie em casa  – prática conhecida como entesouramento. Isso diminui as cédulas em circulação nas ruas, aumentando ainda mais a demanda por elas.

Em resumo: a decisão do Conselho Monetário Nacional em lançar a nota de R$200 naquele momento foi bastante influenciada pela pandemia. O Banco Central emitiu 450 milhões de cédulas em 2020, mas só 31% delas estão nas ruas. O restante continua retido pelo BC. Mas por quê?

O que aconteceu com as notas de R$200?

Um dos motivos para o sumiço é que as pessoas evitam usar a nota de R0 no dia a dia. Por ser um valor alto, ela é alvo de falsificações e ainda dificulta o troco. Por isso, muitos comerciantes preferem não utilizá-la. A baixa demanda faz com que as instituições financeiras (como os bancos) não solicitem mais notas nesse valor.

Continua após a publicidade

Outro motivo é o crescimento do PIX, que se tornou a forma de pagamento mais popular do Brasil em 2023. Ele nasceu praticamente junto com a nota de R$200, sendo lançado oficialmente em novembro de 2020.

Mesmo assim, o número de notas estampadas com o lobo-guará vem crescendo a cada ano. Em setembro de 2020, havia 0,6 milhão de cédulas de R$200 em circulação. Em dezembro do mesmo ano, já eram 53,4 milhões. Ao final de 2021, eram 93,3 milhões. Em 2022, 121,5 milhões. E em dezembro de 2023, 138,1 milhões de notas nas ruas.

Seguindo essa tendência de crescimento, a nova cédula deve ultrapassar as notas de R em 2025. O Banco Central recolhe as notas de R há quase 20 anos, mas elas continuam por aí.

Continua após a publicidade
Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.