Clique e Assine SUPER por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Vórtice polar: entenda o fenômeno por trás da onda brutal de frio nos EUA

Pelo menos 84 milhões de americanos teriam enfrentado temperaturas negativas nesta quinta-feira (31)

Por Guilherme Eler
Atualizado em 1 fev 2019, 14h40 - Publicado em 31 jan 2019, 20h04

A maior onda de frio dos Estados Unidos dos últimos 34 anos fez, até esta quinta-feira (31), pelo menos doze vítimas. Chicago, cidade do estado do Illinois e terceira mais populosa do país, virou um dos principais símbolos das baixas temperaturas: quem vive ali vem enfrentando termômetros na casa dos -30ºC – algo que motivou os cidadãos locais a apelidarem a cidade de “Chibéria”, em referência ao frio siberiano da região do norte da Rússia.

O caso mais extremo, porém, vem do norte do estado de Minnesota. Em Ponsford, as temperaturas chegam a menos de 54 graus negativos, o que leva a sensação térmica a beirar os 60 graus abaixo de zero. A página do Serviço Nacional do Clima aponta que, das 20 cidades que mais sofreram com o frio, 17 estão no Minnesota.

Segundo informações da rede de TV americana CNN, 216 milhões de americanos foram afetados de alguma forma pela onda de frio, e pelo menos 84 milhões enfrentaram temperaturas negativas no momento mais frio desta quinta-feira (31).

O frio digno do Alasca pode ser explicado por um fenômeno chamado vórtice polar. Ele é resultado de ciclones de baixa pressão formados no Polo Norte, que costumam circular na estratosfera sobre regiões polares nessa época do ano.

Continua após a publicidade

O problema é que, desta vez, a ventania gelada foi perturbada por um aquecimento repentino, causado por uma massa de ar quente vinda do Marrocos. O calor inesperado deixou a massa de ar gelado mais instável e a obrigou a se expandir para o sul, espalhando ar frio por onde passa – no caso, o centro-oeste e a costa leste dos Estados Unidos, além do norte do Canadá.

Apesar dos efeitos estarem especialmente evidentes em 2019, o vórtice polar não é um fenômeno desconhecido. Na verdade, ele acontece todos os anos, e foi descrito pela primeira vez ainda em 1853. Outros eventos de magnitude similar a atual, como destaca a NPR, aconteceram em 2004, nos idos dos anos 80 e no 90.

O frio desproporcional obrigou o sistema de correios a suspender suas atividades em parte dos estados de Illinois, Indiana, Michigan, Ohio, Pensilvânia e Wisconsin. A Cruz Vermelha americana afirmou que precisou cancelar 370 viagens que transportavam doações de sangue desde que a friaca começou para valer. O problema mais bizarro da lista aconteceu, quem diria, em Chicago. Como você pode assistir no vídeo abaixo, a solução para manter o funcionamento adequado das linhas de trem da cidade foi, literalmente, fazê-las pegar fogo.

Continua após a publicidade

As labaredas da imagem, na verdade, não vem do metal em si, mas são acesas paralelamente aos trilhos. Com o calor, a ideia é evitar que o material trinque e forme rachaduras, além de derreter qualquer gelo acumulado no caminho dos trens.

A tendência é que as médias de temperatura extremas nas regiões mais afetadas pelo vórtex polar tenham um alívio nos próximos dias – e voltem a cair de novo no fim da próxima semana. Haja gelo.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.