Assine SUPER por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Microfotografia : O documento do tamanho

Ângulos especiais de insetos, flores e folhas produzem fotografias com imagens surpreendentes e intrigantes.

Por Da Redação Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 31 out 2016, 18h47 - Publicado em 31 ago 1988, 22h00

As técnicas do close-up e da microfotografia proporcionam surpresas quando as lentes da objetiva enquadram a natureza. A plantas e animais, corretamente explorados por foles e mentes de aproximação, revelam imagens insólitas, criadas a partir do superdimensionamento do mundo que os cerca. Em geral observa-se o conjunto das plantas de um jardim como um viajante ao longo da estrada, que apenas percebe o desfile sucessivo da paisagem e raramente se debruça sobre a relva, procurando uma imagem diferente das habituais. E, muitas vezes, é ali que está escondido o exótico bicho ou a escultural semente a espera de serem ampliados por uma lente de aproximação.

Existem duas técnicas para captar imagens dos pequenos seres vivos: a microfotografia e a macrofotografia. Como o nome sugere, na microfotografia a imagem do objeto é ampliada através das lentes de um microscópio. São fotos que requerem o ambiente e o equipamento de um laboratório – microscópio, lâminas, lamínulas, e micrótomo, o aparelho que faz finíssimos cortes no espécime a ser estudado. A Câmara pode ser acoplada a ocular do microscópio, ou já estar adaptada a ele. A macrofotografia, por sua vez, busca um contato mais imediato com a natureza. O equipamento básico deve consistir em uma câmera monoreflex (SLR – Single Lens Reflex, que permite observar a cena através da própria objetiva , facilitando a composição e o foco), uma lente macro com um anel de aproximação, um tripé e um pequeno flash.

O terreno baldio mais próximo ou mesmo um simples vaso de plantas dentro de casa deve fornecer material suficiente para as primeiras experiências. O fotógrafo precisa encontrar um ângulo, um detalhe intrigante, buscando com a câmera o enquadramento perfeito. Só então o tripé entra em ação. Com a Câmara no tripé, é possível ajustar milimétrica mente o foco, estudar a composição e optar por um anel de aproximação, que permite chegar mais perto dos detalhes. O flash não precisa ser muito sofisticado; basta ser independente da câmera, para variar um ângulo de iluminação.

Muitos objetos pedem uma iluminação frontal, direta. Outros serão realçados pela iluminação lateral, que acentua os relevos. Com o tempo e a prática o fotógrafo aprende a colocar o flash na melhor posição. As pequenas distâncias envolvidas na macrofotografia permitem que até mesmo os mais simples dos flashes fornece uma iluminação adequada.

Continua após a publicidade

A maioria das experiências nesse campo da fotografia é gratificante, principalmente se o modelo é estático. Algumas dificuldades começam a surgir quando, por exemplo, o fotógrafo se propõe a superdimensionar uma aranha, daquelas capazes de atacar o homem, ou, pior, quando se passa a considerar digna de registro a enigmática pupila vertical de uma jararaca. É aí que o macrofotógrafo se vê na necessidade de desenvolver técnicas fotográficas alternativas, para alcançar seus objetivos e sair ileso.

Obviamente, existem macetes para cada tipo de objetivo que se busca dentro do reino animal. Mas cada fotógrafo acaba descobrindo sua maneira de lidar com a natureza e seus próprios macetes. As cidades abrigam uma considerável população de animais não domesticados (anfíbios, répteis, aves, insetos, etc.), diariamente em contato com o homem, muitas vezes de maneira dissimulada. Eles estão espalhados, em maior ou menor concentração, ao longo dos parques, clubes e terrenos baldios. Essa forma urbana, quase desconhecida, oferece uma rica fonte de experiências fotográficas, por tabela, de conhecimentos biológicos.

Através dela se pode chegar a entender melhor a vida daqueles bichos mais distantes, em ambientes naturais pouco acessíveis, como o Pantanal e a Amazônia, no caso brasileiro. Afinal, a consideração pelos seres vivos que estão em lugares tão remoto muitas vezes deve começar por aqueles que, sem ser notado, estão nas proximidades.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A ciência está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por SUPER.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.