GABRILA65162183544miv_Superinteressante Created with Sketch.

Prisões americanas vão ter sistema antidrones

Com o aumento de uso das máquinas não tripuladas, o governo dos Estados Unidos está procurando formas de afastá-los das cadeias

Os celulares deixaram de ser a tecnologia mais preocupante que circula pelas penitenciárias, pelo menos nos Estados Unidos. Lá, a Secretaria Federal das Prisões fez um anúncio afirmando que está procurando sistemas que consigam abater drones.

O documento afirma que a tecnologia deve ser capaz de: localizar, identificar, classificar se o drone é ou não uma ameaça, responder adequadamente e verificar os resultados das ações. Ainda há alguns pedidos específicos, como a habilidade de conseguir atingir drones com até 1,2 metro de diâmetro, que voem à até 5,5 mil metros de altura e sejam feitos de materiais que podem variar entre fibra de carbono e metais leves.

Companhias ao redor do mundo, incluindo algumas especializadas no ramo bélico, estão investindo em armas que disparam frequências de rádio para desativar -e derrubar- drones. Os resultados geralmente são canhões gigantescos que abatem drones a quilômetros de distância. Há também soluções mais compactas. Uma academia militar americana chamada West Point demonstrou, durante o encontro anual das associações do exército local, um rifle que não dispara balas e é formado por um microcomputador e uma antena wi-fi. Você pode ver a demonstração abaixo:

O problema não é exclusivamente gringo. Aqui no Brasil, já foram relatadas ações com drones em presídios. A Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) atualmente está desenvolvendo uma legislação específica para os robôs não tripulados.