Blogs

Mosquito transgênico pode acabar com a dengue para sempre

Débora Spitzcovsky 4 de março de 2011


Foto de Genilton José Vieira/Fiocruz

Nada de inseticidas ou larvicidas! Os casos de dengue podem estar com os dias contados no Brasil, graças a um mosquito transgênico produzido em laboratório, que promete extinguir as fêmeas do Aedes aegypti – que são as transmissoras da doença, já que, ao contrário dos machos, as “mocinhas” se alimentam de sangue humano.

O mosquito transgênico, que ainda não tem nome, é criado com o material genético das drosófilas – aquelas pequenas “moscas-de-frutas”, que têm o hábito de rodear alimentos doces – e é, exatamente, esse “ingrediente” que dá à espécie o poder de exterminar a dengue.

Como? Segundo os cientistas, a combinação dos genes das drosófilas com os do mosquito da dengue torna o inseto transgênico mais atraente sexualmente, aos olhos das fêmeas do Aedes aegypti, do que os machos da própria espécie. Logo, elas vão optar pelo “mosquito fake” na hora da cópola, que, graças ao seu material genético, só pode gerar filhotes machos. Conclusão: não nascerão mais fêmeas do Aedes aegypti e, com o tempo, a espécie entrará em extinção. Simples assim! 

Para aqueles que estão questionando os riscos de se criar uma superpopulação de “mosquitos transgênicos machos” no país, os cientistas avisam: ainda no estágio larval, o material genético do inseto produzido em laboratório começa a gerar uma proteína que mata o animal, pouco a pouco, e o impede de chegar à fase adulta.

A nova técnica de combate à dengue foi estudada pela bióloga Margareth Capurro, da USP – Universidade de São Paulo, e aprovada pela CTNBio – Comissão Técnica Nacional de Biossegurança. Por enquanto, a cidade de Itaberaba, na Bahia – onde os casos de dengue são frequentes – está servindo de cobaia para a experiência: mais de 10 mil mosquitos transgênicos foram soltos no município e outros 50 mil estão em “fase de fabricação”.

Segundo os envolvidos na ação, a eficácia da técnica só poderá ser comprovada em cerca de 18 meses. Você bota fé no mosquito transgênico?   

Leia também:
DENV-4: só faltava ele 
Ministério lança novo mapa da dengue    

Siga o Planeta Sustentável:

Comentários

dhenff disse:

que nojooo *-* *-* *-* *- *-*

COSME DAVID disse:

tem que dar certo,é triste var pessoas morrendo desse jeito.

afonso gomes disse:

quem fez esta investigação e este blog útil está de parabens ;)

Moacir Ferreira dos Santos disse:

Espero que dê certo devemos aguarda cerca de 18 meses para termos uma média se deu certo acho importante analisar se não irá ter um impacto colateral com esse novo bichinho…

Welington Tristão da Rocha - Biólogo disse:

A minha dúvida é como manter uma população de mosquitos vivos em município que tem transmissão, pois o controle será feito, seja ele biológico ou químico e tanto transgênico ou não será atingido e aí como fica?

Não acredito que possa erradicar a doença, mas com o tempo vai diminuir
significativamente o número de casos de dengue na Bahia e assim sucessivamente em outras partes do Brasil. Esperamos que isso funcione neh, e que o povo nao deixe de ajudar nao mantendo água parada, toda ajuda é pouca.
Adorei o Artigo, muito bem escrito. Qualquer informação nova me mandem por email.
Abraços ! : )

Quando criamos a agricultura não estávamos “bincando de Deus”? Quando mudamos o curso de um rio não estamos igualmente “brincando de Deus”? Ao tratar um cancer com sucesso o homem não está novamente “brincando de Deus”? Pelo que entendi do pensamento de vocês, pra não brincar de Deus o homem nunca devia ter saído das cavernas.
Bom, gostem ou não, saímos. E isso custou a extinção de várias espécies. Se Deus pretende poupar o mosquito da dengue das nossas “brincadeiras” é melhor agir rápido.

E ah, talvez até fosse mais seguro, não sei, mas certamente é inútil esperar que cada cidadão se conscientize de sua responsabilidade. É mais fácil, rápido e barato extinguir outra espécie.

Todos os estudos e pesquisas são bem vindas e devem ter seus resultados comprovados.
A melhor alternativa para o combate é a prevenção. Cabe a cada um de nós cuidar para que não se espalhem os focos do mosquito, só através da conscientização e apoio da sociedade o Brasil irá vencer esta guerra.
http://www.guerracontradengue.com.br

mauricio de luna freire3 disse:

Pois é. o Homem continua com suas experiências ” Aedes…controladas”. Como já comentaram, fica brincando de Deus ou Criador. Seria muito mais fácil e seguro, se cada cidadão se conscientizasse de sua responsabilidade, em manter limpo seu quintal e o ambiente em que vive, e não propiciando condições à reprodução do mosquito, que não tem culpa de nada. Ele cumpre apenas o seu papel de mosquito…
Em tempo, sou agente de controle de zoonoses!

Concordo com o Marcelo, estão brincando de Deus. Além disso, temos que perceber que o mal não está no Aedes aegypti, mas no microorganismo que ele carrega. Talvez se elimine uma espécie de mosquito para, então, se perceber que ela não era a única transmissora…

Fabiane Almeida disse:

Acredito sim que possa dar certo. E mais… é muito bom ver que a inteligencia do nosso país não está de braços cruzados!!!!!

Tem tudo pra dar certo, e espero que dê!

Antonio Santos Filho disse:

Com certeza é valido! DENGUE mata, e tudo que for feito pra salvar vidas é importante, entre uma vida humana, e uma mosquito , devemos ficar sempre com a vida humana… Ou eu estou errado ?

Vamos torcer para que dê certo… Toda alternativa para acabar com essa doença é válida… E se der certo, Nobel de Medicina para Margareth Capurro é pouco!!!

Page 2 of 2«12

Deixe um comentário