Ameaça Ignorada

Pilhas usadas são lixo radioativo? O que fazer com elas?

Essas substâncias são altamente tóxicas – algumas até cancerígenas, de efeito cumulativo no organismo .

por Maria Fernanda Vomero

(Marco Aurélio Bonotto, Palmas, PR)

Não, elas não emitem radioatividade – mas, mesmo assim, constituem um lixo perigoso à natureza e à saúde humana. O maior problema são as pilhas fabricadas com grandes quantidades de metais pesados como cádmio, mercúrio, chumbo e seus compostos. Essas substâncias são altamente tóxicas – algumas até cancerígenas, de efeito cumulativo no organismo – e, dependendo da concentração, podem causar, a longo prazo, complicações respiratórias e renais. Misturadas ao lixo doméstico em aterros comuns, elas contaminam o solo, lençóis de água subterrâneos e lavouras. “A situação melhorou um pouco nos últimos tempos, pois vêm sendo produzidas pilhas com menores concentrações desses metais – como as alcalinas, cujos resíduos são bem menos tóxicos para o ambiente”, diz Zilda Velloso, coordenadora do Departamento de Qualidade Ambiental do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama). Em compensação, a lei que deveria nos proteger desses venenos não é cumprida.

Trata-se de uma resolução do Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama), em vigor desde julho de 2000. Ela estabelece como responsabilidade dos fabricantes e importadores a coleta de pilhas usadas, para que tenham destinação adequada: aterros industriais especiais para resíduos químicos perigosos. “Esses aterros consistem de valas com diversas camadas de impermeabilização para evitar vazamentos. São também equipados com sistemas de tratamento para gases e líquidos”, diz o químico Marcelo Jost, também do Ibama. No entanto, apenas 10% dos aterros brasileiros obedecem a essas condições. E, apesar da resolução do Conama, pouquíssimos pontos de coleta de pilhas foram instalados no país.

Descarte descuidado

Em aterros comuns, as pilhas contaminamo solo e a água

1 - Grandes quantidades de pilhas são depositadas em aterros comuns, misturadas ao lixo doméstico. No interior delas mora o perigo: uma pasta onde ocorrem as reações químicas que geram energia, formada por metais altamente tóxicos

 

2 - O vazamento resultante faz com que os elementos tóxicos do interior da pilha se dissolvam nos líquidos que escoam pelas camadas do aterro. Sem um sistema especial de captação e tratamento desses fluidos, o veneno contamina o solo e os lençóis de água subterrâneos

 

3 - Expostas ao sol e à chuva, as pilhas vão oxidando. Com isso, sua carcaça – que deveria manter confinada a pasta de metais venenosos – passa a se decompor

publicidade

anuncie

Super 339 - Humanos: caem as fronteiras entre nós e os animais Novas descobertas deixam claro: chimpanzés têm idiomas, cultura, fazem política, tecem redes sociais e praticam caridade. Chegou a hora de conferir direitos humanos a eles? Assine a Super Compre a Super

Superinteressante ed. 339
novembro/2014

Humanos: caem as fronteiras entre nós e os animais
Novas descobertas deixam claro: chimpanzés têm idiomas, cultura, fazem política, tecem redes sociais e praticam caridade. Chegou a hora de conferir direitos humanos a eles?

- sumário da edição 339
- folheie a Superinteressante

Você está na área: Ciência

publicidade

anuncie