GABRILA65162183544miv_Superinteressante Created with Sketch.

Um dia na vida de… uma pessoa com ansiedade ou depressão

Perguntamos para pessoas com doenças mentais quais são as situações mais desagradáveis que elas passam no cotidiano e desenhamos para você

(Conheça a série de quadrinhos da SUPER: “Um dia na vida de…”. Conversamos com mulheres, negros, gays e pessoas com deficiência para entender quais situações desconfortáveis fazem parte de seu dia a dia – e depois desenhamos os casos para todo mundo entender)

Agradecemos a consultoria de Dra. Flávia Arantes Hime, psicoterapeuta e professora da PUC-SP, e Dr. Eduardo de Castro Humes, psiquiatra e coordenador do ambulatório de Psiquiatria do Hospital Universitário da USP.

As festas de Natal e Ano Novo talvez sejam a época mais paradoxal do ano. Ao mesmo tempo em que ficamos mais introspectivos, lembrando do que aconteceu nos últimos meses e planejando os próximos, é um tempo de convívio, encontros e confraternizações. Mas, para quem não consegue responder com sinceridade, e sem engolir seco, à pergunta “como vai você” na hora da ceia, essa também é uma fase de muito constrangimento – e passível de muitas opiniões gratuitas. Se no geral opiniões gratuitas já não são bem-vindas, para quem sofre de doenças mentais, os pitacos desinformados não são apenas desconfortáveis, mas ameaças à saúde. E não estamos falando de doenças raras(pelo menos não desta vez), mas de ansiedade e depressão, patologias comuns que podem acontecer com qualquer até mesmo sem um estopim aparente.

Relativizar os sintomas da doença, ser tachado de louco, culpar o doente por não mostrar sinais de recuperação, condenar o uso de medicamentos e a necessidade de tratamento psicológico ou psiquiátrico são apenas algumas das situações que as pessoas que sofrem com transtornos psicológicos sofrem.

Mas ter depressão não é estar tristinho, é estar doente. Quem está depressivo e não consegue sair da cama não é preguiçoso, dorminhoco, nem está fazendo corpo mole, está recluso porque não tem condições de dar conta das atividades do dia a dia. Ter transtornos de ansiedade não é estar com borboletas no estômago para fazer uma viagem legal, tirar férias ou comemorar seu aniversário, é não conseguir aproveitar tudo isso por estar doente. Pânico, ansiedade e depressão não são frescuras nem chiliques – são quadros clínicos psiquiátricos que precisam ser tratados.

Assumir que o vazio, a apatia, a melancolia e a paranoia que as pessoas com ansiedade ou depressão sentem são características de doenças graves (assim como a glicose alterada da diabetes e a gastrite pré-úlcera), é o primeiro passo para que eles possam se recuperar.

Optamos por focar em circunstâncias que retratam casos de depressão e transtornos de ansiedade por serem as doenças psiquiátricas mais comuns em todo o mundo e também porque seus sintomas e respostas se manifestam em outras patologias – sendo assim, as duas mais universais.

Os quadrinhos a seguir foram inspirados em situações reais pelas quais pessoas com depressão ou ansiedade passam no dia a dia.

graficohq

Um dia na vida de uma pessoa com ansiedade ou depressão

Com quadrinhos de Helô D’Angelo

quadrinhos

#SuperAcessível: Quadrinho 1: duas colegas de trabalho estão sentadas em suas mesas. Uma delas, a morena, está tomando um antidepressivo. A outra, ruiva, observa e julga, dizendo: “Você toma remédio… Cuidado, hein? Eu li que isso aí deixa a gente viciada e só piora as coisas”. Quadrinho 2: a morena, com cara de “bode eterno”, pensa: “Ah, quer dizer que se eu fosse diabética não poderia usar insulina?” Nosso conselho neste caso: Remédios psiquiátricos são medicamentos como quaisquer outros: você precisa tomar quando adoece. Em alguns casos, a pessoa toma por um tempo e pronto (como se fosse uma gripe); em outros, quando a doença psiquiátrica é crônica, ela segue tomando por um período maior, sempre de forma controlada (como acontece com diabetes ou pressão alta, por exemplo). Depois da melhora, os remédios devem ser diminuídos e descontinuados. Mas só um psiquiatra sabe avaliar se a pessoa precisa de medicamentos.

quadrinho

#SuperAcessível: Quadrinho 1: um homem está com dois amigos no bar. Ele diz: “Comecei a fazer terapia, gente… tô gostando”. Um dos amigos tira sarro: “Pô, pra quê gastar dinheiro falando com um estranho? Vem pro bar afogar as mágoas”. O outro concorda: “É, a gente não cobra nada”. Quadrinho 2: o homem que está fazendo terapia fica meio bravo e pensa: “Preciso de ajuda profissional. Não é a mesma coisa que conversar com amigos”. Nosso conselho neste caso: Desabafar com os amigos é bom. Mas não é a mesma coisa que receber atenção profissional. Um profissional estudou muito para ajudar as pessoas com problemas psiquiátricos. Ele será mais objetivo que os amigos: não vai falar uma besteira, por exemplo, que pode fazer a pessoa se sentir ainda pior. Fazer terapia não é desabafar: é fazer um tratamento.

quadrinhos

#SuperAcessível: Quadrinho 1: uma mãe e sua filha já adulta conversam no sofá. A mãe diz: “Não entendo por que você está deprimida, por que fica tomando esses remédios, gastando tempo e dinheiro com terapia… Você tem tudo: é casada, tem casa, comida, trabalho, filhos. Tanta gente passando fome na África e você aí, sofrendo por nada”. A filha apenas ouve, calada e dasanimada. Quadrinho 2: Foco no rosto da filha, com cara de “que saco”. Ela pensa: “Não é porque os outros sofrem que eu não posso sofrer também”. Nosso conselho neste caso: O sofrimento de uma pessoa não apaga o de outra – e eles não são comparáveis. Depressão não segue uma “lógica”: é uma doença. Você poderia ter tudo: dinheiro, amor, um unicórnio cor de rosa, e ainda assim ter depressão.

quadrinhos

#SuperAcessível: Quadrinho 1: na mesa de natal, a família toda está reunida: a prima, o tio, a tia, a avó, o pai e uma criança. Tem até um cachorro roendo o osso ao pé da mesa. O tio, de bigode e comendo uma coxa do peru, comenta: “A filha da Lurdes surtou no trabalho. Parece que deu um escândalo”. A tia, toda perua, responde: “eu sempre soube que ela não batia bem”. A avó, no centro da mesa, comenta: “É uma louca, mesmo”. O pai, na ponta e perto da filha pequena, diz: “Tinha que ir pro hospício”. A única que não diz nada e parece constrangida é a prima, sentada na outra ponta da mesa. Quadrinho 2: foco na prima. Ela está com uma expressão de preocupação e pensa: “Que chato chamar uma pessoa de louca. Eles não sabem como é a vida dela”. Nosso conselho neste caso: Ao chamar alguém de louco, você está usando um rótulo carregado de preconceitos – que pode até piorar o quadro da pessoa. Afinal, ser chamado de louco pode afetar negativamente a autoestima, que está diretamente ligada à saúde mental.

quadrinhos

#SuperAcessível: Quadrinho 1: uma adolescente está jantando com os pais. Ela diz, tímida: “Minha professora disse que seria legal eu ir a um psiquiatra”. A mãe, chocada, responde: “Psiquiatra?! Pra quê?”. O pai, bravo, berra: “Não vou pagar médico de louco. Você é normal!”. Quadrinho 2: a menina fica visivelmente constrangida e diz: “Mas psiquiatra é um médico como qualquer outro” Nosso conselho neste caso: Se você está com dor de barriga, vai ao gastro. Se está com dor de dente, vai ao dentista. Se está com dor de ouvido, vai ao otorrino. Dificilmente você aguentaria viver com uma perna quebrada ou um tumor em algum lugar. Por que seria diferente com o psiquiatra, que não passa de um médico que cuida da cabeça?

quadrinho

#SuperAcessível: Quadrinho 1: uma moça está no sofá de casa com o namorado. Ele está deprimido, olhando para o nada. Ela diz: “Eu sei como você se sente. Eu mesma já fiquei tristinha várias vezes”. Quadrinho 2: o namorado fica com cara de irritado e pensa: “Eu não estou “tristinho”. Estou deprimido, é diferente”. Nosso conselho neste caso: Afirmar que entende como uma pessoa com depressão se sente por já ter experimentado tristeza é a mesma coisa que dizer que você poderia ser jogador da Seleção Brasileira só porque marcou uns gols na pelada do final de semana. Tristeza é um sentimento normal que geralmente tem uma causa específica – e passa sozinho. Já a depressão é uma doença que precisa de atenção especializada e que tem inúmeros sintomas. Nem sempre a pessoa deprimida parece triste, por exemplo: pode ser que ela apenas não tenha energia e vontade de viver.

quadrinhos

#SuperAcessível: Quadrinho 1: Um rapaz está encolhido, chorando e tremendo, tendo uma crise de pânico. Um amigo está tentando ajudar. O amigo diz: “Calma! É só pensar que isso é coisa da sua cabeça que passa”. Quadrinho 2: o rapaz em crise levanta a cabeça e, irritado, grita: “Eu sei que é! Mas isso não ajuda em nada!” Nosso conselho neste caso: Dizer que um problema psiquiátrico é “coisa da cabeça” pode até ser verdade, se a gente pensar ao pé da letra. Mas não alivia o sofrimento de ninguém: afirmar isso é o mesmo que falar que uma crise de pânico é uma escolha da pessoa. E não é o caso: um dos sintomas dos problemas psiquiátricos pode ser a incapacidade de se cuidar sozinho.

quadrinho

#SuperAcessível: Quadrinho 1: um rapaz está deitado na cama, deprimido, com uma cara de tédio total, de alguém que não sente absolutamente nada. A mãe dele está de pé ao lado da cama, com expressão preocupada. Ela diz: “Essa sua depressão é besteira! É só você sair de casa, trabalhar, fazer esportes, conhecer uma moça. Cabeça vazia é oficina do diabo”. Quadrinho 2: foco no rosto do rapaz. A expressão de tédio dele mudou para uma feição de raiva. Ele pensa: “Eu não tenho forças nem para comer e ela quer que eu viva normalmente?” Nosso conselho neste caso: Cada pessoa tem sintomas diferentes para sua doença psiquiátrica – e ela não controla como vai se sentir. Depressão não é preguiça ou corpo mole. Por isso, essas “dicas” não funcionam. Ninguém tenta tratar um braço quebrado ou uma úlcera estomacal só com a força do pensamento. Então, por que seria diferente com a depressão – ou qualquer outra doença?

quadrinhos

#SuperAcessível: Quadro 1: duas amigas estão sentadas lado a lado em um banco de praça. Uma delas, morena e de cabelos curtos, parece nervosa. A outra, com os cabelos vermelhos, parece estar tranquila. A moça nervosa diz: “Eu acho que estou tendo uma crise de ansiedade”. A outra responde: “Para com isso! Você está exagerando… Não tem razão pra essa ansiedade. Fica tranquila que passa”. Quadro 2: a amiga nervosa fica muito irritada, chorando. Ela pensa, sarcástica: “Agora que você falou isso, eu posso enfim desligar minha ansiedade. Só que não”. Nosso conselho neste caso: Doenças psiquiátricas como a ansiedade não são uma invenção da pessoa: elas têm sintomas reais. Elas também podem não ter um gatilho óbvio ou um motivo claro. Para ajudar, não responsabilize a pessoa pelos sintomas e leve-os a sério. Assim, ela entende que está sendo ouvida e respeitada.

 

 

 

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Roberto Bonafé

    Fraca a matéria hein. Textos repetitivos e pouco esclarecedores. Sequer elucida alguma dúvida que tenhamos. Só traz o óbvio.

    Curtir

  2. Carol Benevides

    Roberto Bonafé, muita gente não entende o óbvio, por isso a repetição maçante. Quando realmente houver um avanço no entendimento em relação ao tratamento com pessoas que tem essas doenças, por exemplo, talvez surjam realmente matérias que tragam algo além. Mesmo assim, nunca é demais reler essas informações básicas que continuam sendo bem importantes.

    Gostei da matéria, Superinteressante. Obrigada!

    Curtir

  3. Roberto Slomka de Oliveira

    O quadro informativo apresenta estatísticas totalmente equivocadas ou falta informação aí. Diz que 700 milhões de pessoas sofrem de ansiedade, e classifica como 33% da população mundial. Para isso ser matematicamente verdadeiro, a população mundial deveria ser de aproximadamente 2,1 bilhões de pessoas, o que ocorreu cerca de 1928… então ou a data dessa fonte é MUITO MUITO antiga, ou se trata de parcela relativa da população mundial (os economicamente ativos talvez?) De qualqueri forma é um erro muito crasso, não?

    Curtir

  4. Rogério Peixoto

    Opa! Você sofre com ANSIEDADE?
    Então olha isso e assiste esse vídeo até o final para Acabar com isso, e depois deixa um comentário, combinado?
    http://experimenteapaz.com.br/ansiedade/

    #experimenteapaz

    Curtir

  5. Josiel de Assis

    Não é só na África que se passa fome. Usar a África – um continem rico e com excelente diversidade- como exemplo de fome, é o mesmo que dizer que na Noruega todo mundo é rico e feliz devido ao alto IDH

    Curtir