SUPER Novas

O salvador dos carecas

Robô torna os implantes capilares mais rápidos e precisos - e mais baratos também

por Vanessa Vieira

Muitos homens não gostam de ser carecas, mas têm de conviver com isso por questões financeiras - uma cirurgia de implante capilar chega a custar R$ 30 mil. Um novo robô promete mudar isso: o Artas, que é especializado em implantes capilares e faz o trabalho de vários médicos, o que pode baratear bastante o procedimento. Ele foi criado pela empresa Restoration Robotics, no Vale do Silício, e seu uso clínico acaba de ser autorizado pelo governo dos Estados Unidos.

Para fazer um implante capilar, o cirurgião tem de extrair 1 500 folículos (estruturas que contêm os fios de cabelo) da parte de trás da cabeça do paciente - um processo delicado que requer incisões microscópicas e leva 4 horas. É aí que o robô entra. Ele trabalha no dobro da velocidade coletando até 700 folículos por hora (veja infográfico). "Hoje é preciso ter uma equipe de 8 a 10 profissionais para a extração dos folículos. Com o Artas, só 2 pessoas são necessárias, o cirurgião que supervisiona o processo e um técnico", diz Miguel Canales, diretor médico da Restoration Robotics. O Artos já está à venda nos EUA e custa US$ 200 mil. Mas ainda é visto com algum ceticismo. "Só a partir do segundo semestre a comunidade médica poderá testar o robô", diz o cirurgião Marcelo Pitchon, da Sociedade Internacional de Cirurgia Capilar.


Colheita e plantio

Máquina retira fios em alta velocidade


1. O paciente recebe uma injeção de anestesia local no couro cabeludo e se deita na máquina com a cabeça sobre um suporte.

2. A máquina analisa a cabeça do paciente e determina quais folículos pilosos podem ser extraídos sem abrir falhas no couro cabeludo.

3. Os folículos são colhidos pelo robô. Posteriormente um cirurgião implanta manualmente os folículos nas áreas calvas da cabeça.

publicidade

anuncie

Super 339 - Humanos: caem as fronteiras entre nós e os animais Novas descobertas deixam claro: chimpanzés têm idiomas, cultura, fazem política, tecem redes sociais e praticam caridade. Chegou a hora de conferir direitos humanos a eles? Assine a Super Compre a Super

Superinteressante ed. 339
novembro/2014

Humanos: caem as fronteiras entre nós e os animais
Novas descobertas deixam claro: chimpanzés têm idiomas, cultura, fazem política, tecem redes sociais e praticam caridade. Chegou a hora de conferir direitos humanos a eles?

- sumário da edição 339
- folheie a Superinteressante

Você está na área: Tecnologia

publicidade

anuncie