Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês
Oráculo Por aquele cara de Delfos Ser supremo detentor de toda a sabedoria. Envie sua pergunta pelo inbox do Instagram ou para o e-mail maria.costa@abril.com.br.

Como um vegetariano se alimenta no Exército?

Pergunta de Anderson Bueno, via Instagram.

Por Luiza Monteiro Atualizado em 11 fev 2020, 12h36 - Publicado em 22 nov 2018, 16h02

Depende de qual país ele defende. As tropas dos Estados Unidos contam com ração operacional (comida que os soldados levam para os campos de batalha) sem carne – compõem o menu macarrão com legumes, hambúrguer vegetariano e frutas desidratadas, além de biscoitos e pasta de amendoim.

Em Israel, as restrições vão além – os militares não só têm acesso a alimentos de origem 100% vegetal como também a botas de couro sintético e boinas sem lã. Não é para menos: o país é o maior do mundo em número de adeptos desse estilo de vida. 5% da população se declara vegana. Além disso, o serviço militar por lá é obrigatório para todos os cidadãos, o que explica por que o Exército tem cada vez mais pessoas que não comem nem usam produtos de origem animal.

Já no Brasil, o Exército não tem a política de oferecer rações exclusivamente vegetarianas. No cardápio, geralmente, estão pratos como estrogonofe, feijoada e carne moída com batata. A boa notícia para quem não come carne é que a proteína costuma vir separada. “E os alimentos industrializados vêm na embalagem original, então dá para analisar o rótulo”, ressalta a tenente Maria Carolina Pelatieri, nutricionista na Escola Preparatória de Cadetes do Exército, em Campinas (SP).

Mas são raras as situações em que os militares precisam comer ração operacional. O dia a dia nos quartéis não é tão complicado assim. A comida do “bandejão” é variada, e a equipe que a prepara se preocupa em não colocar presunto na salada, por exemplo. Além disso, em boa parte das missões é montada uma cozinha de campanha, para preparar os alimentos ali mesmo – ou então, o menu é feito previamente e levado em caixas térmicas. Nesses casos, a ideia também é variar o cardápio e, claro, manter o feijão livre de bacon e o espaguete separado do molho à bolonhesa.

Fontes: Centro de Comunicação Social do Exército; tenente Maria Carolina Pelatieri, nutricionista na Escola Preparatória de Cadetes do Exército, em Campinas; site do Exército dos EUA.

Continua após a publicidade

Publicidade