Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês
Oráculo Por aquele cara de Delfos Ser supremo detentor de toda a sabedoria. Envie sua pergunta pelo inbox do Instagram ou para o e-mail maria.costa@abril.com.br.

Dá para sobreviver a uma bomba atômica na geladeira, como Indiana Jones?

Jura mesmo que precisa responder?

Por Oráculo Atualizado em 9 out 2019, 15h38 - Publicado em 21 mar 2014, 17h47

Não. Nem Indiana Jones, que jamais deveria ter feito o quarto filme, poderia sobreviver a um ataque nuclear dentro de uma geladeira – ou em qualquer outro eletrodoméstico.

Uma bomba atômica mata de três jeitos: radiação, calor e onda de choque, que é o deslocamento de ar sob pressão. As duas últimas, por si só, tornariam a geladeira inútil.

David Shechner, bioquímico que escreve para o site Overthinking It, que faz análises científicas sobre temas da cultura popular, fez uma estimativa das forças que a que a geladeira seria submetida ao ser lançada pelos ares. Segundo o bioquímico, Indiana teria sofrido uma força de 2.605.760 Newtons, o equivalente a cerca de 3.253 pessoas sentadas simultaneamente sobre ele.

Mas a radiação é a cereja no bolo.

“Uma bomba atômica emite vários tipos de radiação. Para a alfa, uma simples folha de papel protege. Para a gama e para os nêutrons, é preciso chumbo e concreto. Um raio X utilizado em hospitais, por exemplo, é isolado por chumbo”, diz a engenheira eletricista Ruth Soares Alves, presidente da Aben.

O isolamento com lã de vidro que o refrigerador tem não é suficiente para deixar alguém imune. “Os eletrodomésticos não têm chumbo e concreto, que são os melhores materiais para isolar a radiação”, diz Ruth. O micro-ondas, por exemplo, tem uma parede de isolamento, porque ele mesmo emite radiação, Mas, como você pode imaginar, a propagação de energia de uma bomba é infinitamente maior.

Há quem argumente que o refrigerador em que Jones se escondeu, mais antigo, era revestido de chumbo. mas não chumbo suficiente: são necessárias dezenas de centímetros para bloquear radiação gama sensivelmente. 

Pergunta de Danilo Coelho, Campina Grande, PB

Continua após a publicidade

Publicidade