Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês
Oráculo Por aquele cara de Delfos Ser supremo detentor de toda a sabedoria. Envie sua pergunta pelo inbox do Instagram ou para o e-mail bruno.vaiano@abril.com.br.

Quem é a Elma da Elma Chips?

A Elma não é uma. É duas.

Por SUPER Atualizado em 11 Maio 2021, 16h33 - Publicado em 26 fev 2019, 17h01

Começou com as irmãs paranaenses Elfriede Wagner e Maria Unger, de uma família de imigrantes alemães que aportou no sul do país na década de 1950 e se estabeleceu em Curitiba.

“Elma” é  a junção do “El” de Elfriede com o “Ma” de Maria. O primeiro salgadinho da dupla foi o Stiksy – os palitinhos crocantes cobertos com sal grosso, que vêm na embalagem verde. Eles foram vendidos primeiro de porta em porta, a partir de 1958, para ajudar nas contas da casa. Depois, na confeitaria Elma, fundada em 1962.

  • O Stiksy é uma versão industrializada e comprida de um bretzel salgado – aquele pão em forma de laço comum na Suíça e na Alemanha, parente do pretzel famoso no Brasil: frito, com canela.

    A “Elma Produtos Alimentícios” foi comprada pela PepsiCo em 1974. A empresa americana adquiriu também uma fabricante de salgadinhos de São Paulo, a American Potato Chips. Então a Pepsi fundiu as duas numa nova companha, a Elma Chips. E aí vieram o Baconzitos, ainda em 1974, e o Cheetos, em 1976. Nos anos 1980, Fandangos e Ruffles, entre outras bombas de sódio ensacadas, engordariam a família.

    Continua após a publicidade
    Publicidade