Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês
Oráculo Por aquele cara de Delfos Ser supremo detentor de toda a sabedoria. Envie sua pergunta pelo inbox do Instagram ou para o e-mail bruno.vaiano@abril.com.br.

Se o latim é uma língua morta, quando morreu?

Ele não tem atestado de óbito: a morte foi lenta, gradual.

Por Bruno Vaiano Atualizado em 23 jun 2020, 14h52 - Publicado em 13 jun 2019, 13h59

A longa decadência do Império Romano do Ocidente, no século 5, marca o início do fim do latim. A partir de então, a língua entrou em um processo de transformação. “Não deixou de ser falado da noite para o dia,” diz Neiva Ferreira Pinto, professora da Universidade Federal de Juiz de Fora.

O latim falado pela plebe – que nessa altura já era bem diferente do latim escrito da Igreja, da poesia épica e de documentos oficiais – se misturou cada vez mais às línguas das populações nativas (os “bárbaros” celtas, gêrmanicos, eslavos etc.) de cada território que costumava pertencer ao Império fragmentado.

  • Formaram-se vários dialetos, que depois seriam “promovidos”. Assim, nasceram línguas como francês, espanhol e o nosso português (que teve até influência árabe, graças à prolongada presença moura na Península Ibérica durante a Idade Média). 

    Os linguistas sabem com exatidão as transformações pelas quais o vocabulário do latim passou conforme ele se tornava suas línguas-filhas. Palavras como securum em latim se tornaram “segurança” em português quandos o som duro da letra C foi substituído, aos poucos, pela letra G. Já palavras com F, como o latim fabulari, foram trocadas por H em espanhol (daí vem hablar, que é falar – o português preservou o F). 

    Por muito tempo, porém, o latim formal continuou sendo a língua oficial da Igreja Católica. A Bíblia não tinha tradução, e as missas eram rezadas como se ainda estivéssemos em Roma. 

    Hoje, o latim sobrevive no jargão jurídico e científico, mas não tem falantes nativos: muitas das culturas que derivam de Roma de alguma forma falam línguas que descendem do latim, mas não são latim.

    Pergunta de Alexandre Moreno Rodrigues, Embu das Artes, SP.

    Continua após a publicidade
    Publicidade