Clique e Assine SUPER por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

A cidade de Nova York está afundando sob o próprio peso

A ilha de Manhattan afunda entre um e dois milímetros por ano – tornando-a mais vulnerável a mudanças climáticas e aumento do nível do mar.

Por Maria Clara Rossini
7 jun 2023, 16h51

A cidade de Nova York é dividida em cinco distritos. O mais populoso deles, Manhattan, fica localizado em uma ilha coberta por prédios e arranha-céus. Com exceção do Central Park, é difícil encontrar um pedaço de terra que não esteja ocupado por construções.

Só que isso tem um preço: segundo um estudo feito por pesquisadores do Serviço Geológico dos Estados Unidos, a ilha de Manhattan está afundando sob o próprio peso a uma taxa de um a dois milímetros por ano. Isso torna a cidade (e seus 8 milhões de habitantes) mais vulneráveis a mudanças climáticas e aumento do nível do mar.

O nome técnico desse fenômeno é subsidência: o deslocamento da superfície para baixo em relação a um ponto fixo, como o nível do mar. Isso significa que, mesmo que o nível do mar permanecesse constante, a cidade ainda ficaria cada vez mais funda.

Continua após a publicidade

Acontece que o nível do mar também está subindo a uma taxa de um a dois milímetros por ano, segundo o coautor do estudo Tom Parsons. No final das contas, a maior metrópole dos Estados Unidos perde de dois a quatro milímetros de terreno todos os anos.

O peso da metrópole

Nova York abriga mais de um milhão de prédios e construções. Os pesquisadores calculam que tudo isso adicione um peso de 762 bilhões de quilos à superfície, o que contribui para a compressão do solo. 

Arranha-céus como o Empire State Building são os mais pesados, mas geralmente são construídos mais ao centro da ilha, sobre rochas firmes. O problema é que algumas áreas da cidade, como o litoral, estão sobre solo macio (argila, por exemplo) ou aterros construídos artificialmente. Nesses pontos, a subsidência pode chegar a 4,5 milímetros por ano.

Continua após a publicidade

Para calcular essa taxa anual, os pesquisadores combinaram o peso urbano aos dados geológicos sobre a composição dos solos novaiorquinos. Eles também coletaram dados de satélites que medem diferenças na elevação do solo.

Há algumas maneiras de evitar subsidência em Nova York e outras cidades. A primeira delas é limitar a construção de novos prédios em solos vulneráveis – geralmente, os do litoral. E a segunda é reabastecer a água drenada de aquíferos naturais. Os aquíferos sem água funcionam como uma garrafa de plástico vazia, e cedem sob pressão.

É o que está acontecendo em Jakarta, na Indonésia, que chega a perder 20 centímetros por ano em algumas regiões. Modelos preveem que 95% da capital deve estar submersa até 2050, tornando-a a cidade que afunda mais rápido no mundo.

Continua após a publicidade
Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.