Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

A ciência conseguiria ressuscitar dinossauros, como em “Jurassic World”?

A explicação do filme, e do clássico dos anos 90 dirigido por Steven Spielberg, parece fazer sentido para leigos. Mas tem um grande problema aí

Por Felipe Sali Atualizado em 31 jul 2018, 13h08 - Publicado em 11 jun 2018, 18h03

Um dos momentos mais marcantes de Jurassic Park, filme dirigido por Steven Spilberg em 1993, não envolve criaturas gigantes tentando devorar humanos. Trata-se da cena em que os personagens assistem um vídeo educativo do parque mostrando como fizeram para ressuscitar os dinossauros. A explicação — pegar uma amostra de DNA de uma mosca fossilizada que carregava sangue de dinossauros, sequenciar o DNA, cobrir os pontos cegos e trazer o T-rex de volta à vida — pareceu tão convincente que não é de se espantar que o público se perguntasse se isso não poderia ser feito na vida real.

Recentemente, cientistas identificaram a estrutura genômica geral dos dinossauros. Ou seja, descobrimos como os genes são organizados no cromossomo da espécie (embora cada animal tenha uma sequência de DNA diferente, a estrutura genômica geral é específica da espécie). Mas, infelizmente, isso não nos coloca mais próximos de um parque cheio de dinossauros. E a explicação é bem simples.

Para clonar um dinossauro, você precisaria do genoma completo — o que nunca foi encontrado, nem mesmo em fósseis de insetos sugadores de sangue. Mosquitos pré-históricos até foram descobertos, mas qualquer DNA contido neles já se degradou há muito tempo. Por outro lado, como o mamute é um bicho mais recente, os cientistas conseguiram isolar seu DNA com sucesso, e trabalham com a hipótese de um dia trazer os mamutes de volta. Bom o suficiente para você?

Mesmo se pudéssemos extrair o DNA de dinossauros, ele estaria cortado em milhões de minúsculos pedaços e ninguém saberia nem por onde começar a organizá-los. Seria como montar o maior quebra-cabeça do mundo.

Resumindo: a única maneira viável seria encontrando um ovo de dinossauro em perfeito estado com toda a química complexa que ele carrega. O que é impossível de acontecer.

Mas não fique triste. Se você gosta de dinossauros, tem um na sua cidade agora mesmo. Talvez até na sua rua. Tecnicamente falando, aves não evoluíram dos dinossauros, elas são dinossauros. E nunca foram extintos.

Continua após a publicidade

Publicidade
Ciência
A ciência conseguiria ressuscitar dinossauros, como em “Jurassic World”?
A explicação do filme, e do clássico dos anos 90 dirigido por Steven Spielberg, parece fazer sentido para leigos. Mas tem um grande problema aí

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Transforme sua curiosidade em conhecimento. Assine a Super e continue lendo

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

App SUPER para celular e tablet, atualizado mensalmente.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Plano completo da Super. Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da SUPER, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Receba mensalmente a SUPER impressa mais acesso imediato às edições digitais no App SUPER, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês

Publicidade