Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

As plantas gigantes

Um grupo de cientistas americanos conseguiu aperfeiçoar a fotossíntese. Isso gera plantas até 40% maiores - e pode ser a resposta para alimentar a população mundial, que chegará a 9,8 bilhões de pessoas em 2050.

Por Bruno Garattoni e Eduardo Szklarz Atualizado em 12 fev 2020, 10h58 - Publicado em 21 abr 2019, 18h44

Você provavelmente nunca ouviu falar dela, mas a RuBisCO (abreviatura de ribulose-1,5-bisfosfato carboxilase oxigenase) é a enzima mais abundante – e importante – da Terra. As plantas a utilizam para capturar o gás carbônico (CO2) durante a fotossíntese, produzindo glicose e liberando oxigênio (O2). Assim, transformam a luz do Sol em energia. Mas a RuBisCO tem um problema: em 20% das vezes, ela pega uma molécula de O2 por engano. As plantas então contornam o problema realizando um processo muito mais difícil, a “fotorrespiração”, o que reduz em até 50% a eficiência da fotossíntese. Por isso elas crescem menos, e mais devagar, do que poderiam.

Mas um grupo de cientistas americanos descobriu como melhorar a fotossíntese – com uma técnica que poderia elevar drasticamente a produção de alimentos no mundo. “Só no meio-oeste dos EUA, poderíamos alimentar 200 milhões de pessoas a mais por ano”, afirma o biólogo Donald Ort, da Universidade de Illinois. A fotorrespiração consome muita energia porque segue uma rota longa nas células da planta. Usando a engenharia genética, Ort e sua equipe criaram plantas1 com um “atalho” metabólico, que acelera esse processo e diminui a perda de energia.

Nos primeiros testes, feitos com tabaco, eles criaram plantas 40% maiores. Mas calma: a ideia não é produzir mais cigarro. “Escolhemos o tabaco porque ele é fácil de alterar geneticamente, robusto e gera muitas sementes. Com isso, avançamos mais rápido do que se tivéssemos começado os testes com um alimento”, explica Ort. Agora, ele está inserindo a modificação genética na soja, no feijão-fradinho e na batata, e depois pretende testá-la no trigo e no arroz. Em tese, a mudança pode ser aplicada a 90% das plantas (que possuem uma via metabólica chamada C3). Se der certo, poderá ser a resposta para alimentar a população global – que deverá, segundo a ONU, chegar a 9,8 bilhões de pessoas em 2050.

1. Synthetic glycolate metabolism pathways stimulate crop growth and productivity in the field. Donald Ort e outros, 2019.

Continua após a publicidade

Publicidade
Ciência
As plantas gigantes
Um grupo de cientistas americanos conseguiu aperfeiçoar a fotossíntese. Isso gera plantas até 40% maiores - e pode ser a resposta para alimentar a população mundial, que chegará a 9,8 bilhões de pessoas em 2050.

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Transforme sua curiosidade em conhecimento. Assine a Super e continue lendo

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

App SUPER para celular e tablet, atualizado mensalmente.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Plano completo da Super. Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da SUPER, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Receba mensalmente a SUPER impressa mais acesso imediato às edições digitais no App SUPER, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês

Publicidade