Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Asteroide do tamanho de uma casa passará (muito) perto da Terra

2012 TC4 cruzará os céus a 1/8 da distância entre a Terra e a Lua – mas não seremos atingidos. Aproximação servirá para testar sistemas de defesa planetária

Por Bruno Vaiano 11 out 2017, 16h06

Para os funcionários da Nasa, o presente de Dia das Crianças será um longo plantão, com a cara enfiada no telescópio.

No feriado de quinta-feira (12), o asteroide 2012 TC4, com algo entre 15 e 30 metros de diâmetro, passará a 43,5 mil quilômetros da Terra. Isso é um oitavo da distância que nos separa da Lua – o que parece muito na escala humana, mas na escala cósmica é o equivalente a um motoqueiro passar no vão entre um ônibus e um carro sem atingir nenhum dos dois. Apesar da “fina” de tirar o fôlego, 2012 TC4 não vai nos atingir – e também não vai interferir nas trajetórias de centenas de satélites artificiais geoestacionários, que, via de regra, orbitam o planeta a 36 mil quilômetros de altitude, mantendo sempre a mesma posição em relação à superfície terrestre.

Quem garante é Michael Kelley, da Nasa, que está de olho em 2012 TC4 há dois meses, e já fez todos os cálculos de trajetória possíveis. “Nós temos informações muito precisas sobre sua posição, o que permite cálculos muito precisos sobre sua órbita. Não há perigo, nem para os satélites”, afirmou à imprensa. Ele e sua equipe estão aproveitando a conveniente aproximação da rocha para fazer uma simulação – e verificar se nossas estratégias de defesa planetária estão em dia.

  • Vale lembrar que, em 15 fevereiro de 2013, um objeto com as mesmas dimensões de 2012 TC4 não foi detectado com antecedência e atingiu de surpresa os arredores da cidade de Cheliabinsk, na Rússia. O impacto foi pequeno, bem abaixo dos padrões de filmes apocalípticos – mas já foi suficiente para deixar mais de 400 feridos, além de quebrar vidraças, disparar alarmes de carros e interferir no funcionamento de telefones celulares. 

    Isso é consequência do fato de que é impossível ficar de olho no céu inteiro ao mesmo tempo. Lindley Johnson, chefe de defesa planetária da Nasa, explicou à SUPER em entrevista: “hoje não há, aparentemente, nada em órbita que possa atingir a Terra. Essa é a notícia boa. A ruim é que nós só enxergamos 30% dos asteroides. Há muita coisa lá fora, mas, felizmente, o espaço é um lugar muito grande também.”

    Depois desse breve “olá” aos terráqueos, 2012 TC4 passará por aqui de novo em 2050 – quando, as contas já revelaram, também não causará um acidente. Sua terceira visita está agendada para 2079, e tudo indica que, nessa ocasião, as chances de impacto serão um pouco maiores. Mas até lá ainda tem muito chão, então não esquente a cabeça com isso – nem espalhe notícias falsas por WhatsApp.

    Continua após a publicidade
    Publicidade