Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Astrônomos encontram “planeta Pi”, com período orbital de 3,14 dias

Apesar de ter um tamanho parecido com o da Terra, esse mundo distante provavelmente é quente demais para abrigar vida.

Por Bruno Carbinatto Atualizado em 22 set 2020, 19h15 - Publicado em 22 set 2020, 18h46

Em uma descoberta que mistura astronomia, matemática e uma dose de humor, cientistas anunciaram que descobriram uma “Terra-pi”: um exoplaneta com tamanho parecido ao do nosso e que orbita sua estrela em um período de 3,14 dias. Sim, o mesmo valor aproximado da constante matemática π (a razão entre o perímetro e diâmetro de uma circunferência).

O nome oficial do planeta é K2-315b, e ele está em órbita de uma estrela que fica a 186 anos-luz da Terra. Trata-se de um objeto detectado pela primeira em 2017, pela sonda espacial Kepler, mas a confirmação de que realmente é um planeta veio somente agora em 2020, com a ajuda de um conjunto de telescópios terrestres.

Os astrônomos responsáveis pela descoberta estimam que o raio do planeta seja o equivalente à 0,95 do raio da Terra – ou seja, os dois tem quase o mesmo tamanho. A estrela que essa “Terra pi” orbita, porém, é muito menor que nosso Sol (cerca de 1/5 do tamanho), e também menos quente. O período orbital de apenas 3,14 dias significa que o planeta se move à incrível velocidade de 81 quilômetros por segundo.

  • Ainda faltam dados sobre a composição exata do planeta, mas a equipe acredita que ele seja rochoso, assim como a Terra. Mesmo assim, não deve ter condições favoráveis à vida porque está muito perto de sua estrela. Isso torna sua superfície quente demais: cerca de 176 ºC – muito calor para possíveis aliens, mas “perfeito para se assar uma torta”, como brincaram os pesquisadores do Instituto de Tecnologia de Massachusetts em comunicado. Para quem não pegou o trocadilho, torta é “pie” em ingles – quase “pi”.

    “Todo mundo precisa de um pouco de diversão hoje em dia”, disse Julien de Wit, professor assistente do MIT e coautor do estudo, sobre o apelido do planeta, que foi usado, inclusive, no título do artigo científico oficial que descreve a descoberta. Vale lembrar, porém, que apesar de ser geralmente arredondado para 3,14, o π é um valor irracional, ou seja, os números depois da vírgula nunca acabam de fato. Não teríamos caracteres neste texto, portanto, para listá-los aqui.

    O “planeta pi” é só um dos muitos mundos descobertos pela sonda Kepler, que foi descontinuada em 2018 após ser responsável pela descoberta de cerca de 2/3 dos 4.300 exoplanetas registrados pelos astrônomos até hoje. O Kepler encontrava possíveis planetas ao observar estrelas brilhantes e procurar por momentos em que sua luz era interrompida por algum objeto entrando na frente – um possível planeta. É essa mesma técnica que o Transiting Exoplanet Survey Satellite (TESS), o sucesso do Kepler lançado em 2018 e atualmente ativo, utiliza.

    Continua após a publicidade
    Publicidade