Assine SUPER por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Baleias a 8 mil quilômetros de distância podem cantar as mesmas “canções”

Animais que vivem na costa do Equador criaram canções inspiradas em baleias da Polinésia Francesa – que, por sua vez, "roubaram" trechos de canções de um grupo da Austrália.

Por Luisa Costa
5 set 2022, 17h17

Grupos de baleias jubarte trocam canções ao longo do Oceano Pacífico, e isso acontece entre distâncias maiores do que se pensava. Em um estudo publicado na última quarta (31), cientistas descobriram que baleias na Austrália passaram suas canções para outras na Polinésia Francesa. Depois, as canções apareceram entre outro grupo de baleias na costa do Equador – a uma distância de quase 8 mil quilômetros.

Cientistas usam a palavra “canção” para descrever padrões regulares e previsíveis de sons produzidos por algumas espécies de baleia, como as baleias jubarte. Esses animais combinam diversas sequências de sons, formando canções que duram entre cinco e trinta minutos – mas podem ser repetidas por horas.

Só os machos adultos cantam. A função dessas cantorias não está clara, mas muitos pesquisadores suspeitam que serviriam para atrair as fêmeas da espécie – como acontece entre os pássaros. 

Machos de um mesmo grupo cantam canções quase idênticas, que evoluem gradualmente à medida que um indivíduo imita o outro. As canções são diferentes entre as populações, mas podem se disseminar pelo oceano.

Continua após a publicidade

Para estudar como isso acontece, pesquisadores da Universidade de St. Andrews (Reino Unido) e da Universidade San Francisco de Quito (Equador) gravaram canções de baleia jubarte entre 2016 e 2018. Eles seguiram grupos de baleias em barcos, colocando microfones na água, e instalaram microfones subaquáticos em alguns pontos do Pacífico.

Em seguida, analisaram as semelhanças entre as canções produzidas por diferentes populações e descobriram que a disseminação das canções acontece não só entre grupos distantes, mas também dentro de um período relativamente curto de tempo. 

Duas populações de baleias (que vivem no Equador e na Polinésia Francesa) tinham canções bastante diferentes em 2016 e 2017. Mas, nas gravações de 2018, os pesquisadores perceberam que as baleias do Equador tinham copiado trechos de canções do outro grupo.

“Essas mudanças culturais realmente rápidas não são vistas em nenhuma outra espécie animal”, afirma Ellen Garland, bióloga marinha da Universidade de St. Andrews, à New Scientist.

Continua após a publicidade

As baleias jubarte são encontradas em todos os oceanos, e migram anualmente entre os polos do planeta e águas próximas ao Equador. Os pesquisadores acreditam que as canções podem se espalhar quando grupos vizinhos de baleias passam pela “faixa acústica” uns dos outros enquanto migram.

O estudo foi publicado na revista científica Royal Society Open Science.

Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A ciência está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por SUPER.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.