Assine SUPER por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Cientistas acham primeiro reservatório subterrâneo de água na Antártida

A presença de aquíferos no continente gelado é uma suspeita antiga, mas até agora não tinha sido confirmada.

Por Luisa Costa
Atualizado em 9 Maio 2022, 18h36 - Publicado em 9 Maio 2022, 17h05

Pela primeira vez, cientistas descobriram um grande reservatório de água sob o manto de gelo na Antártida. Não é de hoje que os pesquisadores acreditavam na presença de aquíferos no continente, mas até agora não havia evidências para confirmá-la. 

O que já se sabia era da existência de lagos subterrâneos, formados à medida que o calor proveniente do interior da Terra derrete a camada de gelo, de baixo para cima. Há mais de 400 deles escondidos entre o chão e o gelo, e um deles é o lago Whillans.

Localizado na parte ocidental do continente, o Whillans tem aproximadamente 60 km2 e 2 metros de profundidade. Acima dele existe a Whillans Ice Stream: uma das correntes de gelo da Antártida que são responsáveis por transportar esse gelo do centro do continente para o oceano.

Essa corrente esconde um sistema de pequenos corpos d’água, como o Whillans, que influenciam sua velocidade de movimento. Mas oculta também um reservatório de água dez vezes mais volumoso, e com cerca de 2 quilômetros de espessura, segundo as descobertas do novo estudo publicado na revista Science

Chloe Gustafson, principal autora do estudo, compara o sistema subterrâneo de água com uma “esponja gigante” composta de sedimentos porosos e cheios de água – salgada, em camadas mais profundas, e doce próximo à superfície.

Segundo os autores, a água salgada pode ter passado do oceano para o continente há cerca de 5 ou 7 mil anos (durante um período de derretimento da camada de gelo), e o gradiente indica que os lagos rasos provavelmente estão ligados ao aquífero. 

O aquífero pode trocar água com o sistema acima dele, ou pode haver uma via de mão única – em que a água dos lagos escorre e fica armazenada na grande esponja subterrânea.

Ainda não se sabe como essa troca entre o sistema profundo e raso de água acontece, mas ela seria definidora para a dinâmica da corrente de gelo localizada acima (ou seja, a movimentação do gelo para o oceano) e para a vida microbiana daquele ecossistema.

Continua após a publicidade

O aquífero sob a corrente de gelo de Whillans foi o primeiro a ser descoberto, mas os cientistas desconfiam que sistemas de água subterrâneos semelhantes estejam por toda a parte, escondidos abaixo de outras correntes.

Compartilhe essa matéria via:

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A ciência está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por SUPER.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.