Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Mapa prevê onde encontrar 300 mil meteoritos na Antártida

Estima-se que apenas 15% dos meteoritos caídos na Antártida foram encontrados até o momento. Pesquisadores usaram dados de satélite e inteligência artificial para ajudar na caça.

Por Luisa Costa 9 fev 2022, 19h47

A Antártida é um bom lugar para encontrar meteoritos. A vantagem de procurar por essas rochas no continente gelado é que elas ficam presas no gelo quando caem por lá. O problema é que eles medem alguns centímetros, e a tarefa de coletá-los é como procurar uma agulha no palheiro. Agora, pesquisadores da Delft University of Technology, na Holanda encontraram uma solução para os caçadores de meteoritos.

Eles usaram inteligência artificial para desenvolver um mapa do continente que identifica áreas com maior chance de localizar as rochas. O processo foi detalhado em um estudo publicado na revista Science Advances. Você pode visualizar o mapa clicando aqui.

Cerca de 62% dos meteoritos já recuperados caíram na Antártida. A explicação é ambiental. Às vezes, os ventos fortes da região transportam a neve ou a transformam em vapor, deixando áreas expostas de gelo azul. Os meteoritos são sempre encontrados nessas regiões, que podem atuar como “zonas de encalhe”. Condições de temperatura, movimentação do gelo, cobertura e relevo da superfície definem quais áreas são mais ou menos prováveis a abrigarem meteoritos.

 

Pesquisadores coletando meteorito na Antártida.

Continua após a publicidade

Embora as áreas de gelo azul sejam identificadas a partir de imagens de satélite, os meteoritos não são. Os cientistas exploram o gelo sem rumo à procura dos meteoritos – e essa brincadeira não é barata. Ter um “mapa do tesouro” em mãos poderia orientar as buscas.

Pesquisadores coletando meteorito na Antártida.
Delft University of Technology/Divulgação
Compartilhe essa matéria via:

Para desenvolver o mapa, os pesquisadores reuniram dados de satélites sobre os aspectos que definem a concentração dos meteoros no gelo azul. Então, a equipe usou aprendizado de máquina (machine learning) para gerar o mapa do tesouro.

O mapa, que tem 80% de precisão, mostra que ainda restam muitos meteoritos para serem coletados nas áreas de gelo exposto. A boa notícia é que muitos estão relativamente próximos de estações de pesquisa já existentes.

A estimativa é que apenas 15% dos meteoritos presentes no continente tenham sido encontrados até agora. Os pesquisadores acreditam que ainda podem encontrar 300 mil escondidos por lá. Para efeito de comparação, existem apenas 70 mil meteoritos conhecidos e catalogados segundo o Meteoritical Bulletin.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Transforme sua curiosidade em conhecimento. Assine a Super e continue lendo

Impressa + Digital

Plano completo da Super. Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da SUPER, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Receba mensalmente a SUPER impressa mais acesso imediato às edições digitais no App SUPER, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

App SUPER para celular e tablet, atualizado mensalmente.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)