Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês

Cobaias virtuais podem substituir animais em testes farmacêuticos

O software conseguiu simular com precisão se um remédio faz mal ao corpo humano. E foi até mais eficiente do que experimentar com os pobres dos bichinhos

Por Felipe Sali 13 mar 2018, 18h08

Testes de medicamentos em animais sempre foram um dilema ético. Ninguém quer que os bichos sofram – mas ninguém também quer frear o avanço da medicina. Agora, os cientistas parecem mais próximos de resolver este problema, poupar a vida dos animais – e até tornar as drogas mais seguras. Tudo com a ajuda de cobaias virtuais.

Na segunda-feira (12), o Centro Nacional de Substituição, Refinamento e Redução de Animais em Pesquisas (NC3Rs), do Reino Unido, concedeu seu prêmio internacional de 2017 a uma equipe da Universidade de Oxford que conseguiu simular a maneira como 62 drogas afetam células cardíacas humanas com a ajuda apenas de um software. O programa, chamado Virtual Assay, foi capaz de adivinhar corretamente se as substâncias causariam danos ao coração.

A cobaia virtual parece ser ainda mais eficiente do que os testes feitos em animais de verdade. Ele acertou se a droga poderia causar arritmia em 89% das vezes, enquanto os testes feitos em coelhos acertaram apenas 75% das vezes. A técnica não é exatamente uma novidade, mas é a primeira vez que se aproxima tanto assim do ideal.

O Virtual Assay já está sendo usado por quatro empresas farmacêuticas, incluindo a gigante alemã Merck KGaA. A esperança é que a tecnologia evolua até o ponto em que testes em animais sejam lembrados como uma barbárie do passado.

Continua após a publicidade

Publicidade