Assine SUPER por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Conheça o sapinho-pulga, o menor anfíbio do mundo

O animal vive no sul da Bahia, é menor que uma unha de dedo mindinho – e corre risco de extinção.

Por Caio César Pereira
Atualizado em 9 fev 2024, 18h06 - Publicado em 9 fev 2024, 18h00

Desde que o mundo é mundo, nosso planeta já foi habitado por seres gigantes, como os dinossauros, os paraceratérios (os maiores mamíferos terrestres de todos os tempos) e a baleia azul (o maior animal que já passou pelo planeta).

Quando o assunto é o inverso, porém, é difícil apontar um vencedor. Mas temos um novo candidato a menor animal vertebrado do mundo: o sapinho-pulga.

A descoberta, publicada na revista Zoologica Scripta, foi feita pelos biólogos Wendy Bolaños, Iuri Ribeiro Dias e Mirco Solé, da Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC), na Bahia. O sapinho-pulga (Brachycephalus pulex), é um anfíbio minúsculo, endêmico da região, e vive em topos de morro na Reserva Particular do Patrimônio Natural Serra Bonita, em Camacan, e no Parque Nacional Serra das Lontras, em Arataca, ambos localizados no sul do estado.

Analisando os exemplares de 45 indivíduos machos e fêmeas, Bolaños descobriu que os machos não ultrapassavam 6,45 milímetros quando adultos. Claro: existem seres microscópicos muito menores. Mas quando falamos de vertebrados (animais com crânio e coluna vertebral), o recorde pertencia a um sapinho da Papua-Nova Guiné (Paedophryne amauensis), que tem 7,7 mm de tamanho. 

Do tamanho de uma unha do dedo mindinho, o sapinho-pulga tornou-se oficialmente o menor anfíbio do planeta.

Continua após a publicidade

Apesar do seu diminuto tamanho, os problemas do sapinho são, infelizmente, bem grandes. Uma pesquisa da União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN), publicada na Nature no ano passado, mostrou que 40% das espécies de anfíbios de todo o planeta estão ameaçadas de extinção.

Os motivos são a devastação do habitat e, claro, o aquecimento global. 

“É ótimo que esse sapinho viva em duas áreas de conservação, mas sua vulnerabilidade às mudanças climáticas é preocupante”, explica Mirco Solé, pesquisador da UESC  e um dos autores do estudo. “Espécies de baixada podem escapar do aumento de temperatura deslocando-se para áreas de montanha, mas as que habitam os topos de morro não têm para onde ir.”

Continua após a publicidade

O sapinho mal foi descoberto e já se sabe que ele corre risco de desaparecer. Para Iuri Ribeiro Dias, professor e pesquisador da UESC, são necessárias medidas de preservação e mitigação dos problemas climáticos para que o animal não suma de vez:

“Infelizmente, na última reavaliação do status de ameaça feita pela União Internacional para a Conservação da Natureza, o sapinho-pulga foi classificado como em perigo de extinção. Está em nossas mãos garantir que ele não desapareça e que as futuras gerações de brasileiros ainda possam se orgulhar de ter o menor anfíbio do mundo vivendo na Bahia.”

Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A ciência está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por SUPER.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.