Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Dinossauro de 125 milhões de anos gostava de receber carinho

Seu rosto, com mais receptores de tato, o ajudava a caçar com precisão em águas turvas – mas também rendia um cafuné em momentos mais íntimos

Por Bruno Vaiano 27 jun 2017, 18h51

Ninguém em sã consciência daria uma coçadinha no nariz de uma criatura pré-histórica chamada Neovenator salerii, certo? Afinal, ele é um dinossauro carnívoro que viveu há 125 milhões de anos e tinha 7,5 metros de comprimento. Mas é aí que você, imbuído de preconceitos contra répteis, se engana. O grandão do período cretáceo, descobriram paleontólogos da Universidade de Southampton, tinha a região da boca e das narinas repleta de detectores de pressão muito sensíveis – que podiam ser usados para, entre outras coisas, se esfregar delicadamente no rosto do parceiro antes do acasalamento.

É claro que essa não foi a razão primordial pela qual a capacidade evoluiu. Os salerii provavelmente se alimentavam em águas lamacentas e opacas, em que o tato pode ser mais eficiente do que a visão na hora de identificar um potencial almoço. Essa não é uma novidade para a ciência: crocodilos têm sensores parecidos até hoje, e os exóticos ornitorrincos desenvolveram uma espécie de sexto sentido, a eletrorrecepção, só para identificar suas presas sem precisar abrir os olhos enquanto mergulham.

Capturada a presa, a sensibilidade extra também ajuda a separar a carne dos ossos usando usando apenas a boca. Marcas de desgaste na arcada dentária e na mandíbula do fóssil analisado – encontrado na Ilha de Wight, no sul da Inglaterra – indicam que ele se dedicava com afinco a roer suas costelinhas sem engolir os ossos.

Além da alimentação, o bônus táctil tem vantagens mais delicadas também: ajuda os animais a medirem com mais precisão a temperatura de seus ovos durante a incubação, e permite que eles carreguem objetos com a boca sem esmagá-los sem querer.

Continua após a publicidade

 

A descoberta foi feita após os cientistas darem uma olhada no interior do crânio fossilizado do animal usando máquinas de tomografia e raio-X. A anatomia dos ossos revelou que os canais neurovasculares, corredores que abrigam estruturas dos sistemas nervoso, circulatório e linfático, eram maiores e mais complexos que a média nessa espécie.

“O canal é muito ramificado próximo à ponta do focinho”, explicou Chris Barker, pesquisador responsável, ao jornal britânico The Guardian. “Ele teria abrigado trechos de um grande nervo trigêmeo – que é responsável pelas sensações no rosto – e os vasos sanguíneos associados. Isso sugere que o Neovenator tinha um focinho muito sensível. O estudo foi publicado no periódico científico Scientific Reports, e pode ser acessado gratuitamente.

 

 

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Transforme sua curiosidade em conhecimento. Assine a Super e continue lendo

Impressa + Digital

Plano completo da Super. Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da SUPER, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Receba mensalmente a SUPER impressa mais acesso imediato às edições digitais no App SUPER, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

App SUPER para celular e tablet, atualizado mensalmente.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)