GABRILA65162183544miv_Superinteressante Created with Sketch.

Explore o fundo do mar ao vivo

Agora você pode acompanhar, em tempo real, uma exploração científica na Fossa das Marianas, a 11 mil metros de profundidade. E nem precisa fugir de peixes bizarros como em "Procurando Nemo"

E se você pudesse ver com seus próprios olhos o que se esconde nas profundezas do oceano? Melhor ainda: e se pudesse fazê-lo sem sair do sofá? Pois essa é a ideia da expedição Okeanos Explorer, da Administração Nacional Oceânica e Atmosférica (NOAA) dos Estados Unidos. Nela, um grupo de cientistas está usando embarcações não tripuladas para mostrar, em vídeo, o ecossistema e a geografia da Fossa das Marianas, a 5.300 km a leste do Havaí. A 11 mil metros este é um dos pontos mais profundos do planeta, e foi pouco explorado – até agora. 

A expedição está rolando desde 20 de abril, e vai até 10 de julho deste ano, com transmissões ao vivo (e em HD!) todos os dias. Os streamings acontecem das 17h30 à 1h30 da manhã, no horário de Brasília, e quem assiste pode escolher entre três câmeras diferentes, que acompanham pontos diferentes do perímetro da expedição. Na exploração, que deve chegar a até 6 mil metros de profundidade, os cientistas ficam mostrando a vida abissal, o relevo e o que mais encontram lá embaixo – e comentando cada descoberta. 

LEIA: Japoneses na maior fossa

O que mais aparece nas filmagens são vulcões submarinos, corais, esponjas, muitos peixes esquisitos e até um pouco de lixo humano (é sério: encontraram uma latinha de cerveja a 5 mil metros de profundidade). Durante esses streamings, o NOAA coloca na tela uma marcação vermelha de 10 cm, para quem assiste ter uma ideia do tamanho do que é encontrado. Nos horários de pausa (porque, afinal, cientistas também precisam descansar), os streamings ficam mostrando uma seleção de vídeos gravados e o deck de comando do navio base. 

Nenhum dos veículos usados na exploração é tripulado, mas todos têm câmeras de alta resolução e capacidade para aguentar de 250 a 6 mil metros de profundidade. Para ajudar ainda mais, os cientistas estão usando quatro tipos de sonar de águas profundas – dois para avaliar o relevo e mais dois para dar detectar seres vivos próximos dos veículos. 

LEIA: O fundo do mar é a nova Lua

A Okeanos é a maior expedição de águas profundas até hoje, e o objetivo dela é reunir mais informações sobre os ecossistemas abissais – já que, mesmo depois de décadas de exploração, ainda se conhece muito pouco sobre eles. Os cientistas também esperam coletar espécimes de corais e de outros seres vivos, investigar a história geológica das Fossas e caracterizar a Prime Crust Zone, área do pacifico com maior concentração de minerais marinhos de grande valor.

Assista às transmissões ao vivo por aqui:

Câmera 1:

 

Câmera 2:

 

Câmera 3:

 

LEIA TAMBÉM:
Mundo Mar – Infográfico mostra os segredos do fundo do oceano
Avião no fundo do oceano
Uma casa no fundo do mar