Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

Indústria química sobre seis patas

Por Da Redação Atualizado em 31 out 2016, 18h50 - Publicado em 31 ago 1998, 22h00

Existem compostos químicos tão complexos que ninguém acreditava que eles existissem na natureza. São as chamadas moléculas cíclicas, nas quais um grande número de átomos estão ligados na forma de anéis. São compostos tão elaborados que, mesmo em laboratório, só são fabricados de dez anos para cá. Agora, uma equipe da Universidade Cornell, nos Estados Unidos, descobriu que alguns insetos são capazes de montar essas redes naturalmente.

A joaninha da espécie Epilachna borealis é um deles. “São comuns, na natureza, compostos com anéis de seis ou sete átomos”, disse à SUPER o líder da equipe, Frank Schröeder. “Mas os compostos fabricados pela borealis, com anéis de até 200 átomos, jamais foram vistos.” E para que a joaninha “tece” essas longas teias químicas? Para fazer um coquetel venenoso que o inseto usa contra os predadores quando está ainda na forma de pupa – um estágio de desenvolvimento intermediário entre o de larva e o de inseto adulto. São as minúsculas gotas secretadas pela pupa que garantem que nenhuma formiga devore o filhote.

Publicidade