Assine SUPER por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Japão importa vírus ebola em preparação para as Olimpíadas de 2020

Os cientistas pretendem usar os agentes infecciosos para validar o diagnóstico de ebola e quatro outras doenças

Por Maria Clara Rossini
Atualizado em 23 out 2019, 18h02 - Publicado em 23 out 2019, 18h00

Ano de olimpíada comove o mundo inteiro. O país sede recebe milhares de pessoas, culturas, dinheiro e… doenças. 2020 é a vez do Japão sediar os Jogos Olímpicos — e ele já está tomando as primeiras medidas para evitar possíveis surtos durante o evento.

Em setembro, o Japão importou cinco vírus causadores de doenças, inclusive o ebola. Os pesquisadores do país desenvolveram diagnósticos que indicam se a pessoa porta um vírus infeccioso. Os patógenos importados servem justamente para testar e validar o novo método.

Além do ebola, os quatro outros agentes são causadores de febres hemorrágicas típicas da América do Sul e África, como os vírus de Lassa e de Marburg. De acordo com a Nature, esses são os vírus mais perigosos e letais que já entraram no Japão.

Todos esses necessitam de biossegurança de nível 4. Essa classificação é reservada aos causadores de doenças letais, que devem ser guardados em instalações especiais e só podem ser manuseados segundo uma série de regras rígidas.

O Japão só tem um estabelecimento adequado para abrigar os “intrusos”: o Instituto Nacional de Doenças Infecciosas, a 30 quilômetros de Tóquio. O laboratório precisa ser localizado em um prédio isolado e conter sistemas de descontaminação e outras medidas de segurança. Para trabalhar lá dentro, é preciso usar uma roupa completa pressurizada e com fornecimento de ar, quase como um uniforme de astronauta.

Apesar de serem extremamente perigosos, os vírus podem evitar um problema muito maior. Com a recepção de tantos visitantes internacionais, não é impossível que o país tenha que lidar com doenças infecciosas durante ou depois das olimpíadas.

O Japão precisou importar os vírus porque não há ocorrências dessas doenças no país. Segundo Masuaki Saijo, diretor do departamento de febres hemorrágicas do instituto, as pesquisas e técnicas desenvolvidas com os patógenos irão ajudar não só no momento das Olimpíadas, mas também na a prevenção de outras ameaças infecciosas no futuro.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.