Assine SUPER por R$2,00/semana
Continua após publicidade

UFRJ passa a abrigar o terceiro maior meteorito do Brasil

Pesando 1,4 tonelada, o fragmento encontrado nos anos 1990 ficará exposto no Museu de Geodiversidade da federal fluminense – e pode ajudar cientistas no estudo sobre a formação do Sistema Solar.

Por Carolina Fioratti
12 ago 2021, 18h34

Em 1992, um pedregulho curioso foi encontrado em uma fazenda no município de Campinorte, a 300 quilômetros de Goiás. Após algumas análises, a teoria foi confirmada: o objeto não era deste planeta. A rocha gigante era, na verdade, um meteorito de 4,5 bilhões de anos, que parece ter caído na Terra há mais de um milênio. 

As proporções também impressionaram. O meteorito Campinorte, como ficou conhecido, tem 1,5 metro de largura, 76 centímetros de altura e pesa 1,4 tonelada. O tamanho significativo o leva ao terceiro lugar do pódio de maiores meteoritos do Brasil – e a partir desta quinta-feira (12), ele ficará exposto no Museu de Geodiversidade da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

Até então, o meteorito estava nas mãos do garimpeiro José Braz de Oliveira, irmão de Eli Oliveira, o fazendeiro que encontrou o pedregulho. A aquisição do Campinorte pela UFRJ – que já abriga os outros dois maiores meteoritos do país – custou R$ 365 mil, considerando a logística de transporte e a preparação do espaço no museu.

O valor foi obtido através de uma campanha de arrecadação virtual, que teve como principal contribuinte a Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro (Faperj). Sem verba pública para a aquisição, a “vaquinha” serviu para que os cientistas não corressem o risco de deixar o objeto ser adquirido por uma instituição internacional – o que inviabilizaria a pesquisa brasileira. 

Continua após a publicidade

Outro interessado em adquirir o meteorito era o Museu Nacional do Rio de Janeiro, referência no país em história natural. A instituição busca investir em novas coleções, já que perdeu parte de seu acervo durante o incêndio de 2018 (a coleção de meteoritos, contudo, não sofreu danos). Mas, no fim, foram os planos de levar a peça para o Museu de Geodiversidade que tomaram frente.

A importância do Campinorte

O estudo do meteorito pode ajudar cientistas a entender a formação e a evolução do Sistema Solar. Maria Elizabeth Zucolotto, astrônoma do Museu Nacional do Rio de Janeiro, explicou que, a partir da análise dos meteoritos, torna-se também possível o estudo da composição de “outros corpos do Sistema Solar, como os planetas terrestres, que teriam um núcleo semelhante a esse meteorito”. Os planetas terrestres, também chamados de telúricos, são Mercúrio, Vênus, Terra e Marte, formados principalmente por rochas e metais. 

O Campinorte, composto por ferro e níquel, guarda ainda outra particularidade: ele é classificado como “não grupado”, ou seja, não se encaixa em nenhum grupo de meteoritos já conhecidos – o que significa que sua análise pode trazer informações únicas. Até agora, 20 gramas de material foram enviados para investigação na UFRJ, enquanto outra porção de 80 gramas foi cedida à Universidade de Alberta, no Canadá. 

Meteorito chega à UFRJ
(Moisés Pimentel/UFRJ/Divulgação)

Edson Farias Mello, diretor do Instituto de Geociências da UFRJ, explicou em nota que “os meteoritos guardam a memória dos instantes iniciais da formação da Terra. Isso porque são materiais originados no mesmo instante em que o planeta surgiu; ao contrário dos materiais terrestres, que sofreram muitas transformações ao longo de bilhões de anos, eles se mantêm inalterados”.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A ciência está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por SUPER.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.