Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Meninas e meninos são igualmente bons em exatas

Estudo feito com crianças mostrou que não há diferenças na atividade cerebral e habilidades matemáticas entre garotos e garotas.

Por Maria Clara Rossini 14 nov 2019, 18h13

A ideia de que matemática é “coisa de menino” ou que meninas não são boas em exatas é puro folclore. Uma pesquisa feita Universidade Carnegie Mellon, nos EUA, ajudou a confirmar que não há diferença entre o desempenho de garotos e garotas no aprendizado e no exercício da matemática.

O estudo foi o primeiro a usar técnicas de imageamento cerebral para comparar o desempenho de crianças dos dois sexos em matemática. Os pesquisadores analisaram a atividade cerebral de 104 crianças entre três e dez anos enquanto elas assistiam a um vídeo educacional que aborda conceitos básicos, como adição e subtração.

Os resultados não mostraram nenhuma diferença em como meninos e meninas processam as informações de matemática. Os dois grupos também se mostraram igualmente atentos. 

As imagens neurais das crianças foram comparadas com as de adultos — e também não mostraram nenhuma diferença relevante no desenvolvimento cerebral dos dois sexos.

Para analisar as habilidades matemáticas, os cientistas aplicaram um teste a esse mesmo grupo de crianças. Mais uma vez, os resultados não mostraram diferenças entre meninos e meninas.

Continua após a publicidade

O estudo foi inspirado por uma análise anterior feita pelo mesmo grupo de cientistas. Eles avaliaram diversas pesquisas que comparavam a performance de meninos e meninas em matemática na infância. O resultado foi o mesmo: nenhuma diferença observada.

As mulheres estão acostumadas a ouvir que matemática, física ou engenharia são cursos masculinos. Segundo a pesquisadora Jessica Cantlon, autora do estudo, isso acontece porque a sociedade afasta as mulheres dos campos das exatas desde pequenas. “As diferenças na socialização de garotos e garotas pode refletir em como eles são tratados em ciências e matemática”, disse a pesquisadora em nota.

Mas nem sempre foi assim. A condessa e matemática Ada Lovelace é conhecida como mãe da computação. Nascida em 1815, ela se tornou a primeira programadora da história ao desenvolver algoritmos para serem rodados pela “Máquina Analítica de Babbage”, que acabou nunca sendo construída.

A primeira turma de computação do Instituto de Matemática e Estatística da USP (IME-USP), por exemplo, era composta majoritariamente por mulheres. A última turma, no entanto, teve apenas três formandas.

“Nós precisamos estar conscientes da origens dessas diferenças de tratamento para garantir que não somos os culpados por essa disparidade” diz a pesquisadora.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Transforme sua curiosidade em conhecimento. Assine a Super e continue lendo

Impressa + Digital

Plano completo da Super. Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da SUPER, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Receba mensalmente a SUPER impressa mais acesso imediato às edições digitais no App SUPER, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

App SUPER para celular e tablet, atualizado mensalmente.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)