Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

Menino de 12 anos descobre esqueleto de dinossauro no Canadá

Paleontólogos já encontraram mais de 30 ossos de um hadrossauro graças à pista do pequeno Nathan Hrushkin, que agora quer seguir carreira na área.

Por Bruno Vaiano Atualizado em 16 out 2020, 14h42 - Publicado em 16 out 2020, 14h39

Em julho deste ano, o canadense Nathan Hrushkin, de 12 anos, descobriu o esqueleto de um dinossauro que viveu há 69 milhões de anos. A criança passeava com o pai em uma região rica em fósseis na província de Alberta, no oeste do Canadá, quando viu um osso despontar do solo. Ele informou as autoridades.

Nesta quinta (15), paleontólogos do Museu Royal Thyrell, na cidade de Drumheller, confirmaram a escavação de mais de 30 fragmentos fossilizados no local. Eles estabeleceram que o conjunto pertenceu a um jovem hadrossauro, que morreu com três ou quatro anos de idade. Os hadrossauros eram répteis herbívoros e semi-bípedes – ou seja, que podiam ou não usar as patas dianteiras para locomoção conforme a necessidade.

Mediam de 8 a 10 metros de comprimento, habitavam a América do Norte e estão entre os últimos representantes dos dinossauros: há 65 milhões de anos, a queda de um meteoro no atual território de Yucatán, no México, extinguiu a maior parte das espécies existentes na época.

A área em que foi feita a descoberta, protegida pela Nature Conservancy do Canadá, tem um cânion – isto é, uma vala profunda que é formada ao longo de milhões de anos pelo atrito da água de um rio com o leito. A formação dessas ravinas expõe várias camadas de rocha sedimentar mais antiga, que estavam originalmente enterradas. 

Rochas sedimentares se formam ao longo das eras geológicas pelo lento acúmulo e posterior compactação de areia, pedrinhas e outros minúsculos fragmentos. Quando o cadáver de um animal fica preso nessa mistura, torna-se possível (embora rara) a formação de um fossíl.

É difícil evitar a decomposição de tecidos moles, motivo pelo qual não se ouve falar com frequência em um fígado ou em rins preservados. Mas os ossos, cobertos por sedimento, podem passar por um processo chamado permineralização, em que minerais diluídos na água se acumulam no tecido ósseo e eventualmente o substituem.

Ou seja: quando você vê um fóssil, você não vê os ossos do animal, e sim minerais que foram moldadas com as dimensões exatas desses ossos porque se formaram no espaço que o esqueleto do animal costumava ocupar debaixo da terra.

O hadrossauro em questão pode ficar feliz: o jovem Nathan já comentou que essa é sua nova espécie favorita, suplantando o clássico T-Rex, que é clichê no imaginário da maioria das crianças. Viva os dinos hipster canadenses. O garoto, que já começou com um currículo invejável, afirmou que quer fazer carreira na área.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Transforme sua curiosidade em conhecimento. Assine a Super e continue lendo

Impressa + Digital

Plano completo da Super! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da SUPER, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Receba mensalmente a SUPER impressa mais acesso imediato às edições digitais no App SUPER, para celular e tablet.

a partir de R$ 19,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao Site da SUPER, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

App SUPER para celular e tablet, atualizado mensalmente.

a partir de R$ 12,90/mês