Clique e Assine SUPER por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Molécula define se memórias serão boas ou ruins

Estudo decifra mecanismo que classifica as lembranças guardadas no cérebro.

Por Bruno Garattoni Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 26 out 2022, 14h06 - Publicado em 20 out 2022, 14h33

As memórias são relações de afinidade entre os neurônios. Quando você vive alguma experiência marcante, ela excita um determinado conjunto de neurônios; quando você se lembra daquilo, mais tarde, o cérebro aciona aquele mesmo grupo.

Mas também faz outra coisa. Ao gravar as memórias, atribui a cada uma um valor emocional bom ou ruim – e, agora, a ciência descobriu o mecanismo envolvido. Ele é controlado pela neurotensina, uma substância produzida no tálamo, uma das regiões mais centrais e antigas do cérebro, presente em todos os mamíferos.

Pesquisadores do MIT ensinaram ratos (1) a associar determinado som a uma situação agradável (ganhar comida) ou desagradável (levar um choque). Mais tarde, tocaram novamente aquele som.

Nos animais que tinham uma memória positiva dele, de receber alimento, os níveis de neurotensina aumentavam – já nos outros, que se lembravam do castigo, eles caíam.

Continua após a publicidade

Os cientistas também criaram ratos geneticamente alterados para produzir mais ou menos neurotensina. Resultado: quanto maior a quantidade dessa substância, mais felizes as lembranças dos ratos se tornavam – a partir de certo nível de neurotensina, eles se tornavam incapazes de formar memórias ruins.

Compartilhe essa matéria via:

Fonte 1. Neurotensin orchestrates valence assignment in the amygdala. KM Tye e outros, 2022.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.